Pular para o conteúdo principal

MARVEL| Avengers, Assemble!

[TEXTO COM SPOILER]



Sábado a noite eu fui assistir  Vingadores: Ultimato e, assim como todos os fãs que vem acompanhando a saga destes heróis nos últimos dez anos, eu estava muito ansiosa e com medo tanto me decepcionar, quanto de perder alguns dos meus personagens favoritos. Então já vou começar este texto dizendo que eu não me decepcionei, o filme é excelente e apesar de longo em nenhum momento ele fica arrastado ou cansativo.

Vou listar aqui alguns pontos do filme que me fizeram vibrar na cadeira do cinema:

OUTROS ÂNGULOS DA HISTÓRIA

Como muitas teorias já vinham falando em Vingadores:Ultimato os heróis voltam no tempo para consertar o estrago feito pelo estalar de dedos do vilão Thanos (Josh Brolin). A questão é que  eles não voltam para a batalha contra o vilão e sim para pegar de volta as Jóias do Infinito e assim poder trazer de volta as pessoas que tinham virado poeira. Porém o mais interessante disso é que eles voltam exatamente para momentos específicos de filmes anteriores e isso faz com a gente possa ver algumas cenas dos outros filmes com uma perspectiva totalmente diferente.



CAPITÃO AMÉRICA E O MJÖLNIR

Em uma das cenas de Vingadores: a era de Ultron nós vemos o Capitão América ( Chris Evans) quase conseguindo erguer o Mjölnir, em Vingadores:Ultimato ele finalmente consegue erguer e lutar com o martelo do Thor (Chris Hemsworth), mostrando que é tão digno quanto o Deus do Trovão. Geralmente eu não bato palmas no cinema porque acho brega, mas não consegui me conter nesta cena, porque ela é simplesmente maravilhosa.

A DEPRESSÃO DO THOR

Todos os heróis sobreviventes acabam se culpando pela perda de seus companheiros, porém um dos mais afetados com a derrota é o Deus do Trovão. O filho de Odin se culpa por não ter matado Thanos na batalha de Guerra Infinita e, cai em um buraco ainda maior quando consegue matar o Titã porém tarde demais para recuperar os amigos. Thor cai em um buraco profundo de depressão se isolando dos amigos e se embriagando pra esquecer. Apesar de todas as gracinhas sobre o peso dele, foi um pouco triste perceber como a derrota  para o Thanos e a perda de Asgard afetou profundamente o Deus do Trovão.



O SACRIFÍCIO 

Viúva Negra (Scarlet Johanson) e Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) foram os responsáveis por buscar a Jóia da Alma, no entanto, como já tínhamos visto no filme anterior, esta é a jóia mais difícil e triste de conseguir porque ela exige sacrifícios, uma nova alma em troca da outra. Não preciso nem dizer que um dos dois se sacrifica para que a única chance de vitória seja alcançada.

I AM THE IRON MAN

Ao que tudo indica esse foi final de semana em que os Starks salvaram o dia. Desde que o Dr. Estranho (Benedict Cumberbatch)  salvou o Tony Stark (Robert Downey Jr.) a gente já esperava que ele teria um papel importante na única chance de vitória que os Vingadores teriam. O que a gente não esperava (ou não queria) era que ele se sacrificasse para que isso acontecesse. No fim a morte dele é triste por tudo que o personagem representou em todos esses anos como Iron Man, mas também porque a vida que ele tinha estava melhor depois dos eventos de Guerra Infinta e ele abriu disso para que o mundo fosse salvo.



AVENGERS, ASSEMBLE

Na batalha final quando o Dr. Estranho chega com a galera que tinha sido dizimada pelo Thanos e o Capitão América grita "Avengers, assemble" enquanto os heróis avançam em cima da tropas do Titã, meu Deus do Céu eu nunca te pedi nada , mas obrigada pela graça alcançada, não teve um pelinho do meu corpo que não ficou arrepiado!

RESPEITA A CAPITÃ MARVEL

Só uma coisa a dizer sobre a Capitã Marvel (Brie Larson): Eu amo uma mulher e ela derruba naves dando "encontrão".

O NOVO CAPITÃO AMÉRICA

E por fim, mas não menos importante, Steve Rogers (Chris Evans) passando o escudo do Capitão para o Sam Wilson (Anthony Mackie). Sinceramente eu pensava que o escudo seria passado para o Buck (Sebastian Stan), mas de qualquer forma acho que ele continua em boas mãos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÍTICA| Operação Fronteira: um bom elenco para um roteiro mediano

Um dos lançamentos da Netflix em março deste ano foi o  longa de ação "Operação Fronteira". O filme estrelado por Ben Affleck, Charlie Hunnam, Garret Hedlund, Oscar Isaac e Pedro Pascal conta a história de cinco amigos e ex-combatentes do exército americano quando eles planejam assaltar a casa de um poderoso narco-traficante mexicano no meio da floresta Amazônica.
Pra ser sincera eu não achei o filme ruim, mas fiquei com a impressão de que faltava algo na história que prendesse mais a minha atenção. A sensação que o filme passa é sempre de que algo  muito ruim vai acontecer, ou de que o plano vai dar todo errado, e de certa forma é isso mesmo que acontece, mas acho que não exatamente do jeito que eu esperava. 
Outra coisa que me incomodou muito foi o fato de que a relação dos personagens não é bem contextualizada, ou seja, a gente não sabe como a relação deles começa, quais as dívidas que eles têm uns com os outros ou o porquê deles verem o personagem Tom Davis (Ben Affleck

CRÍTICA| Durante a tormenta

Durante a tormenta é um filme de drama/suspense espanhol, o longa foi lançado em 2018 e chegou este mês na Netflix. Devido a uma falha  no espaço-tempo causada por uma tempestade a jovem Vera Roy ( Adriana Ugarte) salva a vida de um garoto que morreu atropelado em 1989, no entanto ao mudar o passado ela também altera o futuro e faz com que  sua mude vida completamente.
Há muito tempo o cinema traz histórias de viagem no tempo e, um ponto em comum que a gente aprendeu em várias delas é que não se pode alterar o passado sem que haja muitas consequências no futuro. Em 'Durante a tormenta', Vera (Ugarte), perdeu sua filha, seu marido e toda a vida que ela conseguia se lembrar, mas com a ajuda do Inspetor Leyra (Chino Darín) ela vai tentar recuperar o que deixou para trás. Porém o que Vera (Ugarte) não se deu conta é que  em sua busca para recuperar uma vida antiga ela acabou não se importando em como estaria sua vida atual nesta nova realidade. 


Eu gostei muito de como o filme tra…

CRÍTICA| Loja de Unicórnios e a singela mensagem de amadurecimento

Loja de Unicórnios entrou para o o catálogo da Netflix Brasil no ultimo dia 05 de abril. O longa foi o primeiro trabalho como diretora da atriz Brie Larson (Capitã Marvel, 2019), ela também estrela a produção. Loja de Unicórnios foi lançado em 2017 e é uma adaptação do roteiro escrito por Samantha McIntyre.
Kit (Larson)  é uma jovem que ao ser expulsa da faculdade de Artes começa a se sentir um perfeito fracasso. Sem saber muito o que fazer de sua vida, ela teve que voltar a morar na casa dos pais e começa a tentar se adequar em um perfil que simplesmente não cabe nela. Após encontrar um emprego temporário em um escritório de comunicação, Kit recebe um convite para ir até A Loja, lá ela conhece o Vendedor (Samuel L. Jackson) e ele lhe oferece a incrível oportunidade de comprar seu próprio Unicórnio, mas antes ela precisa preencher alguns requisitos.


Este foi um filme que conversou muito comigo, porque a personagem passa por todo um processo para enfim conseguir se reencontrar. Ao ser …