Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Loja de Unicórnios e a singela mensagem de amadurecimento



Loja de Unicórnios entrou para o o catálogo da Netflix Brasil no ultimo dia 05 de abril. O longa foi o primeiro trabalho como diretora da atriz Brie Larson (Capitã Marvel, 2019), ela também estrela a produção. Loja de Unicórnios foi lançado em 2017 e é uma adaptação do roteiro escrito por Samantha McIntyre.

Kit (Larson)  é uma jovem que ao ser expulsa da faculdade de Artes começa a se sentir um perfeito fracasso. Sem saber muito o que fazer de sua vida, ela teve que voltar a morar na casa dos pais e começa a tentar se adequar em um perfil que simplesmente não cabe nela. Após encontrar um emprego temporário em um escritório de comunicação, Kit recebe um convite para ir até A Loja, lá ela conhece o Vendedor (Samuel L. Jackson) e ele lhe oferece a incrível oportunidade de comprar seu próprio Unicórnio, mas antes ela precisa preencher alguns requisitos.



Este foi um filme que conversou muito comigo, porque a personagem passa por todo um processo para enfim conseguir se reencontrar. Ao ser expulsa da universidade claramente Kit passa por um período de depressão, ela se sente um fracasso naquilo que sempre sonhou fazer, por isso, decide buscar um novo caminho em um lugar que mais parece um matadouro de sonhos. É neste período em que Kit está tentando se encaixar em algo que ela não é, que ela é chamada para ir à Loja de Unicórnios.

Todo o caminho que Kit faz para conseguir ter seu unicórnio faz com que ela encontre um novo rumo para seguir, retome a confiança em si mesma, melhore sua relação com os pais e consiga finalmente estabelecer conexões com pessoas reais. Apesar de bem simples eu gostei muito de toda a mensagem de autoconhecimento e amadurecimento que o longa trás.



Uma das coisas coisas que mais me agradou em Loja de Unicórnios foi a relação entre Kit (Larson) e Virgil (Mamoudou Athie), os dois ao se conhecerem estão insatisfeitos com a vida que levam e de forma gradual nós conseguimos perceber a evolução dos personagens ao passo que a relação entre eles é construída.  Porém umas das coisa que mais me desagradou foi o fato de que ao fazer uma crítica ao mundo corporativo e às suas ideias machistas e engessadas o longa peca em não conseguir conectar isso ao restante da história, parece algo que foi colocado ali mas não se conecta com mais nada e não leva a lugar nenhum.

Minha opinião é que Loja de Unicórnios vale o seu tempo investido, apesar de não ser um filme perfeito ele cumpre muito bem seu papel de entreter o espectador e de passar uma mensagem bem simples e singela no final. Sem contar que a Brie Larson é linda, maravilhosa, fada sensata e merece ser prestigiada.

Veja o trailer abaixo:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MARVEL| Avengers, Assemble!

[TEXTO COM SPOILER]


Sábado a noite eu fui assistir  Vingadores: Ultimato e, assim como todos os fãs que vem acompanhando a saga destes heróis nos últimos dez anos, eu estava muito ansiosa e com medo tanto me decepcionar, quanto de perder alguns dos meus personagens favoritos. Então já vou começar este texto dizendo que eu não me decepcionei, o filme é excelente e apesar de longo em nenhum momento ele fica arrastado ou cansativo.
Vou listar aqui alguns pontos do filme que me fizeram vibrar na cadeira do cinema:
OUTROS ÂNGULOS DA HISTÓRIA
Como muitas teorias já vinham falando em Vingadores:Ultimato os heróis voltam no tempo para consertar o estrago feito pelo estalar de dedos do vilão Thanos (Josh Brolin). A questão é que  eles não voltam para a batalha contra o vilão e sim para pegar de volta as Jóias do Infinito e assim poder trazer de volta as pessoas que tinham virado poeira. Porém o mais interessante disso é que eles voltam exatamente para momentos específicos de filmes anteriores e…

SÉRIES| Divulgado hoje o trailer de 'Pearson'

A USA Network lançou o primeiro trailer de 'Pearson', a série, que será um spin-of de Suits, estreia ainda este ano.
Na trama vamos acompanhar a trajetória da advogada Jessica Pearson (Gina Torres) enquanto ela tenta se adaptar ao mundo (e submundo) da política em Chicago. O projeto foi feito por Aaron Korsh e Daniel Arkin, que também são os responsáveis por Suits.
Veja o trailer abaixo:




NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança.
Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo.



Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteirizado pelo próprio Kheiron, Seme…