Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Operação Fronteira: um bom elenco para um roteiro mediano



Um dos lançamentos da Netflix em março deste ano foi o  longa de ação "Operação Fronteira". O filme estrelado por Ben Affleck, Charlie Hunnam, Garret Hedlund, Oscar Isaac e Pedro Pascal conta a história de cinco amigos e ex-combatentes do exército americano quando eles planejam assaltar a casa de um poderoso narco-traficante mexicano no meio da floresta Amazônica.

Pra ser sincera eu não achei o filme ruim, mas fiquei com a impressão de que faltava algo na história que prendesse mais a minha atenção. A sensação que o filme passa é sempre de que algo  muito ruim vai acontecer, ou de que o plano vai dar todo errado, e de certa forma é isso mesmo que acontece, mas acho que não exatamente do jeito que eu esperava. 

Outra coisa que me incomodou muito foi o fato de que a relação dos personagens não é bem contextualizada, ou seja, a gente não sabe como a relação deles começa, quais as dívidas que eles têm uns com os outros ou o porquê deles verem o personagem Tom Davis (Ben Affleck) como sendo o principal líder da operação. As relações são construídas de uma maneira muito superficial e, no fim das contas, tanto fazia se alguém ia viver ou se tudo ia dar muito errado e todos iriam morrer. Os conflitos individuais de cada um dos cinco companheiros também não é muito bem explicado, a gente sabe que eles existem mas, de certa forma, isso não é bem explorado na história.



Um dos pontos positivos de Operação Fronteira é a escolha do elenco de peso, eu particularmente gosto de praticamente todos os atores escolhidos para interpretar os personagens principais e, gostaria de destacar aqui as atuações do Ben Affleck e do Oscar Isaac, acho que os dois tem bons momentos durante o longa e são os personagens mais bem desenvolvidos. No entanto apesar de gostar muito do Pedro Pascal (saudades Oberyn) eu achei que ele não se saiu muito bem no papel do piloto Francisco Morales.

Na minha visão Operação Fronteira é um filme mediano, não acho que ele seja uma obra prima da ação, mas acredito que ele cumpre bem seu papel de entreter, poderia ser melhor? Poderia, mas assisti-lo não foi uma completa perda de tempo ( como foi com Próxima parada: Apocalipse).

Veja o trailer abaixo:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança.
Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo.



Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteirizado pelo próprio Kheiron, Seme…

OSCAR| Saiba quem foram os dez últimos ganhadores na categoria Melhor Filme

Daqui a pouco mais de um mês acontece a 91ª edição do Oscar, o evento é conhecido por premiar os melhores filmes do ano anterior (nem sempre a justiça impera). Pensando nisso nós do Marco do Percurso separamos para vocês os últimos dez ganhadores na categoria Melhor Filme, a principal da premiação.

Então pega sua pipoca e seu controle e vem com a gente!

A FORMA DA ÁGUA (2018)



Dirigido por Guilhermo Del Toro "A forma da água" conta a história de Elisa (Sally Hawkins), uma zeladora muda que trabalha em um laboratório ultra secreto do governo dos Estados Unidos durante o período da Guerra Fria e, que acaba se apaixonando por uma criatura fantástica que era mantida em cativeiro pelo laboratório.

MOONLIGHT: SOB A LUZ DO LUAR (2017)



Dirigido por Barry Jenkins o filme conta toda a jornada de autoconhecimento de Black ( Trevante Rhodes, na fase adulta), um menino negro, gay e periférico de Miami. Destaque aqui para a atuação brilhante de Marhershala Ali, como o traficante Juan.

SPOTLI…

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix

Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".
Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.


O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.
O …