Pular para o conteúdo principal

CAPITÃ MARVEL| Este não é o pior filme do MCU



Este texto não é uma crítica somente ao filme Capitã Marvel (2019) também quero falar sobre a importância que ele tem ao trazer para as telonas um filme solo de uma heroína. Há algum tempo tinha-se a visão de que filmes solos de heróis protagonizados por mulheres não traria um bom retorno de público, então o filme "Mulher Maravilha" ( 2017) chegou e abriu novas portas para que heroínas , como a Capitã Marvel  fossem representadas nas telonas.

O filme se passa na década de 90 e conta a origem de uma das personagens mais fortes do MCU. Carol Denvers (Brie Larson) é uma jovem piloto de testes que ao ser atingida por uma explosão ganha super poderes e se envolve na guerra intergalática entre os Kree e os Skrulls. Para acabar com esta guerra ela conta com a ajuda de um inexperiente Nick Fury ( Samuel L. Jackson). de sua melhor amiga Maria Rambeau ( Lashana Lynch) e do gatinho Goose.




Desde antes de sua estreia o filme da Capitã Marvel já vinha gerando polêmicas no mundo nerd quando algumas pessoas resolveram derrubar a  avaliação do longa no Rotten Tomatoes, antes mesmo do filme estrear, especula-se que isso aconteceu por causa das declarações feministas da atriz Brie Larson. Engraçado ver como muitos homens não sabem lidar com mulheres brilhando e protagonizando grandes filmes.

Eu estava muito ansiosa pela estreia de Capitã Marvel, primeiro porque eu adoro filmes de heróis, segundo porque eu não deixaria de prestigiar um filme com protagonismo feminino num ambiente tão hostil para mulheres como é o mundo nerd. Assim que o longa estreou eu comecei a ver uma enxurrada de comentários (a maioria feito por homens) de que o filme seria o pior do MCU, achei estranho, porque num universo que nós temos Homem de Ferro 3 e Thor, seria preciso muito esforço para fazer um filme ainda pior, isso sem contar que anteriormente as primeiras impressões que saíram sobre o longa eram bastante positivas. 

Então semana passada finalmente consegui a verba para ir ao cinema e ver tirar minhas próprias conclusões sobre Capitã Marvel, e para a surpresa de zero pessoas o filme nem de longe é o pior da Marvel ( Olá Era de Ultron), embora também não seja o melhor (Pantera Negra dono do meu coração), o longa está na média dos filmes do MCU. Achei que os personagens são bem carismáticos, há algumas boas piadas, a Brie Larson é linda, maravilhosa e é incrível ver ela contracenando com o Samuel L. Jackson. Para um filme de origem ele cumpriu muito bem seu papel. Eu adorei ver a Carol Denvers descobrindo seus poderes e, principalmente descobrindo quem ela é. A única coisa que eu senti falta no longa foi de uma trilha sonora mais marcante. 




Gostaria de destacar aqui um momento do filme (não é spoiller), quando a Capitã Marvel (Brie Larson) atinge praticamente todo seu poder eu vibrei na no cinema, eu tava tão empolgada quanto a personagem  destruindo seus inimigos na base do 'encontrão'. Eu sempre gostei de filmes de heróis, seria legal quando eu era criança poder ter assistido o filme de uma heroína maravilhosa, super poderosa, badass. 

E pra finalizar: quem achou que filmes de heróis protagonizado por uma mulher não daria retorno, Capitã Marvel estreou no dia 7 de março e  doze dias depois já arrecadou 760 milhões de dólares ao redor do mundo, o longa estrelado por Brie Larson está caminhando para figurar entre as maiores bilheterias do universo cinematográfico da Marvel.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança.
Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo.



Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteirizado pelo próprio Kheiron, Seme…

OSCAR| Saiba quem foram os dez últimos ganhadores na categoria Melhor Filme

Daqui a pouco mais de um mês acontece a 91ª edição do Oscar, o evento é conhecido por premiar os melhores filmes do ano anterior (nem sempre a justiça impera). Pensando nisso nós do Marco do Percurso separamos para vocês os últimos dez ganhadores na categoria Melhor Filme, a principal da premiação.

Então pega sua pipoca e seu controle e vem com a gente!

A FORMA DA ÁGUA (2018)



Dirigido por Guilhermo Del Toro "A forma da água" conta a história de Elisa (Sally Hawkins), uma zeladora muda que trabalha em um laboratório ultra secreto do governo dos Estados Unidos durante o período da Guerra Fria e, que acaba se apaixonando por uma criatura fantástica que era mantida em cativeiro pelo laboratório.

MOONLIGHT: SOB A LUZ DO LUAR (2017)



Dirigido por Barry Jenkins o filme conta toda a jornada de autoconhecimento de Black ( Trevante Rhodes, na fase adulta), um menino negro, gay e periférico de Miami. Destaque aqui para a atuação brilhante de Marhershala Ali, como o traficante Juan.

SPOTLI…

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix

Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".
Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.


O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.
O …