Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix


Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".

Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.



O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.

O roteiro é fraco e preguiçoso, sempre busca as saídas mais fáceis para os problemas, mas erra principalmente quando tenta utilizar de artifícios cômicos para entreter o espectador, o problema é que na maioria das vezes as cenas não tem graça e, ás vezes são até desnecessárias.

Outro ponto que o roteiro peca é na construção da relação entre os personagens, tudo é muito superficial, posso citar um exemplo, a personagem  Camille (Vanessa Hudgens) se torna amiga e interesse amoroso de Duncan, a relação dos dois não é construída de uma maneira que convence o espectador. Sem contar que pra mim já era esse lance da 'novinha' se envolvendo com o 'tiozão' misterioso.



A verdade é que essa relação só acontece porque o roteiro foi pretensioso o suficiente em acreditar que as cenas finais entre os dois seriam um plot twist de fazer inveja ao  M. Night Shyamalan, mas na verdade o máximo que elas conseguem despertar é um "Ah-tá, era melhor ter ido ver o filme do Pelé" (pegaram a referência?)



Na minha humilde opinião a única coisa que se salva em Polar é a atuação de Mads Mikkelsen, ele é perfeito para o papel de um assassino frio e calculista (já vimos isso em Hannibal) e dá um tom soturno muito bom ao personagem, uma pena que tudo isso é desperdiçado com a galhofa que é o restante do filme.

Polar está disponível na Netflix desde o dia 25 de janeiro, o longa foi dirigido por Jonas Akerlund, diretor famoso por fazer videoclips de cantores como Madonna, Metallica e Roxette. O roteiro foi escrito por Jayson Rothwell

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TERROR| Vale a pena assistir ao filme "Mara"?

Esses dias eu vi algumas pessoas comentando sobre um filme de terror chamado "Mara" (2018) , sem saber muito bem que filme era esse fui verificar se ele estava disponível na Netflix para poder assisti-lo e dizer pra vocês se vale a pena ou não dedicar um tempo de vida a ele. 
O filme conta a história de Kate (Olga Kurylenko) uma psicóloga forense que se vê as voltas com um caso de assassinato misterioso no qual a única suspeita afirma que seu marido foi estrangulado na própria cama por um demônio do sono.

Eu achei que a história poderia ser interessante e, confesso que até fiquei com medo de não dormir a noite, já que eu tenho paralisia do sono e sou facilmente sugestionável. Porém o roteiro não entrega o que promete e acaba utilizando muitos 'jump scares' para assustar, esse recurso é tão utilizado que em dado momento o espectador já nem se assusta mais porque já está esperando por aquilo.
Outro ponto que também não me convenceu no filme foram as atuações, algumas …

CRÍTICA| Loja de Unicórnios e a singela mensagem de amadurecimento

Loja de Unicórnios entrou para o o catálogo da Netflix Brasil no ultimo dia 05 de abril. O longa foi o primeiro trabalho como diretora da atriz Brie Larson (Capitã Marvel, 2019), ela também estrela a produção. Loja de Unicórnios foi lançado em 2017 e é uma adaptação do roteiro escrito por Samantha McIntyre.
Kit (Larson)  é uma jovem que ao ser expulsa da faculdade de Artes começa a se sentir um perfeito fracasso. Sem saber muito o que fazer de sua vida, ela teve que voltar a morar na casa dos pais e começa a tentar se adequar em um perfil que simplesmente não cabe nela. Após encontrar um emprego temporário em um escritório de comunicação, Kit recebe um convite para ir até A Loja, lá ela conhece o Vendedor (Samuel L. Jackson) e ele lhe oferece a incrível oportunidade de comprar seu próprio Unicórnio, mas antes ela precisa preencher alguns requisitos.


Este foi um filme que conversou muito comigo, porque a personagem passa por todo um processo para enfim conseguir se reencontrar. Ao ser …

TRAILER| O Rei Leão, vem chorar comigo

Se você, assim como eu, foi uma criança dos anos 90, então provavelmente deve estar ansioso e com o coração na mão para mais uma vez na sua vida chorar com O Rei Leão. Hoje a Disney lançou mais um trailer da versão live action do longa.
Neste trailer nós podemos ver um pouco mais dos personagens que serão apresentados no cinema. Vemos Simba (Donald Glover) tanto em sua versão criança, como já adulto. Podemos conferir também o visual do vilão Scar (Chiwetel Ejiofor) e também , dos melhores amigos que você respeita, Timão (Billy Eichner) e Pumba (Seth Rogen)


O rei leão (2019) é um remake da animação lançada em 1994, foi dirigido por Jon Favreau (mesmo diretor de Mogli e do primeiro Homem-Ferro), e em seu elenco ainda conta com personalidades de peso como Donald Glover, Beyoncé e Seth Rogen, além de contar com o retorno de James Earl Jones como Mufasa. 
Confira abaixo o trailer liberado hoje: