Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix


Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".

Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.



O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.

O roteiro é fraco e preguiçoso, sempre busca as saídas mais fáceis para os problemas, mas erra principalmente quando tenta utilizar de artifícios cômicos para entreter o espectador, o problema é que na maioria das vezes as cenas não tem graça e, ás vezes são até desnecessárias.

Outro ponto que o roteiro peca é na construção da relação entre os personagens, tudo é muito superficial, posso citar um exemplo, a personagem  Camille (Vanessa Hudgens) se torna amiga e interesse amoroso de Duncan, a relação dos dois não é construída de uma maneira que convence o espectador. Sem contar que pra mim já era esse lance da 'novinha' se envolvendo com o 'tiozão' misterioso.



A verdade é que essa relação só acontece porque o roteiro foi pretensioso o suficiente em acreditar que as cenas finais entre os dois seriam um plot twist de fazer inveja ao  M. Night Shyamalan, mas na verdade o máximo que elas conseguem despertar é um "Ah-tá, era melhor ter ido ver o filme do Pelé" (pegaram a referência?)



Na minha humilde opinião a única coisa que se salva em Polar é a atuação de Mads Mikkelsen, ele é perfeito para o papel de um assassino frio e calculista (já vimos isso em Hannibal) e dá um tom soturno muito bom ao personagem, uma pena que tudo isso é desperdiçado com a galhofa que é o restante do filme.

Polar está disponível na Netflix desde o dia 25 de janeiro, o longa foi dirigido por Jonas Akerlund, diretor famoso por fazer videoclips de cantores como Madonna, Metallica e Roxette. O roteiro foi escrito por Jayson Rothwell

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MARVEL| Avengers, Assemble!

[TEXTO COM SPOILER]


Sábado a noite eu fui assistir  Vingadores: Ultimato e, assim como todos os fãs que vem acompanhando a saga destes heróis nos últimos dez anos, eu estava muito ansiosa e com medo tanto me decepcionar, quanto de perder alguns dos meus personagens favoritos. Então já vou começar este texto dizendo que eu não me decepcionei, o filme é excelente e apesar de longo em nenhum momento ele fica arrastado ou cansativo.
Vou listar aqui alguns pontos do filme que me fizeram vibrar na cadeira do cinema:
OUTROS ÂNGULOS DA HISTÓRIA
Como muitas teorias já vinham falando em Vingadores:Ultimato os heróis voltam no tempo para consertar o estrago feito pelo estalar de dedos do vilão Thanos (Josh Brolin). A questão é que  eles não voltam para a batalha contra o vilão e sim para pegar de volta as Jóias do Infinito e assim poder trazer de volta as pessoas que tinham virado poeira. Porém o mais interessante disso é que eles voltam exatamente para momentos específicos de filmes anteriores e…

SÉRIES| Divulgado hoje o trailer de 'Pearson'

A USA Network lançou o primeiro trailer de 'Pearson', a série, que será um spin-of de Suits, estreia ainda este ano.
Na trama vamos acompanhar a trajetória da advogada Jessica Pearson (Gina Torres) enquanto ela tenta se adaptar ao mundo (e submundo) da política em Chicago. O projeto foi feito por Aaron Korsh e Daniel Arkin, que também são os responsáveis por Suits.
Veja o trailer abaixo:




NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança.
Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo.



Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteirizado pelo próprio Kheiron, Seme…