Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix


Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".

Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.



O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.

O roteiro é fraco e preguiçoso, sempre busca as saídas mais fáceis para os problemas, mas erra principalmente quando tenta utilizar de artifícios cômicos para entreter o espectador, o problema é que na maioria das vezes as cenas não tem graça e, ás vezes são até desnecessárias.

Outro ponto que o roteiro peca é na construção da relação entre os personagens, tudo é muito superficial, posso citar um exemplo, a personagem  Camille (Vanessa Hudgens) se torna amiga e interesse amoroso de Duncan, a relação dos dois não é construída de uma maneira que convence o espectador. Sem contar que pra mim já era esse lance da 'novinha' se envolvendo com o 'tiozão' misterioso.



A verdade é que essa relação só acontece porque o roteiro foi pretensioso o suficiente em acreditar que as cenas finais entre os dois seriam um plot twist de fazer inveja ao  M. Night Shyamalan, mas na verdade o máximo que elas conseguem despertar é um "Ah-tá, era melhor ter ido ver o filme do Pelé" (pegaram a referência?)



Na minha humilde opinião a única coisa que se salva em Polar é a atuação de Mads Mikkelsen, ele é perfeito para o papel de um assassino frio e calculista (já vimos isso em Hannibal) e dá um tom soturno muito bom ao personagem, uma pena que tudo isso é desperdiçado com a galhofa que é o restante do filme.

Polar está disponível na Netflix desde o dia 25 de janeiro, o longa foi dirigido por Jonas Akerlund, diretor famoso por fazer videoclips de cantores como Madonna, Metallica e Roxette. O roteiro foi escrito por Jayson Rothwell

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÍTICA| Operação Fronteira: um bom elenco para um roteiro mediano

Um dos lançamentos da Netflix em março deste ano foi o  longa de ação "Operação Fronteira". O filme estrelado por Ben Affleck, Charlie Hunnam, Garret Hedlund, Oscar Isaac e Pedro Pascal conta a história de cinco amigos e ex-combatentes do exército americano quando eles planejam assaltar a casa de um poderoso narco-traficante mexicano no meio da floresta Amazônica.
Pra ser sincera eu não achei o filme ruim, mas fiquei com a impressão de que faltava algo na história que prendesse mais a minha atenção. A sensação que o filme passa é sempre de que algo  muito ruim vai acontecer, ou de que o plano vai dar todo errado, e de certa forma é isso mesmo que acontece, mas acho que não exatamente do jeito que eu esperava. 
Outra coisa que me incomodou muito foi o fato de que a relação dos personagens não é bem contextualizada, ou seja, a gente não sabe como a relação deles começa, quais as dívidas que eles têm uns com os outros ou o porquê deles verem o personagem Tom Davis (Ben Affleck

CRÍTICA| Loja de Unicórnios e a singela mensagem de amadurecimento

Loja de Unicórnios entrou para o o catálogo da Netflix Brasil no ultimo dia 05 de abril. O longa foi o primeiro trabalho como diretora da atriz Brie Larson (Capitã Marvel, 2019), ela também estrela a produção. Loja de Unicórnios foi lançado em 2017 e é uma adaptação do roteiro escrito por Samantha McIntyre.
Kit (Larson)  é uma jovem que ao ser expulsa da faculdade de Artes começa a se sentir um perfeito fracasso. Sem saber muito o que fazer de sua vida, ela teve que voltar a morar na casa dos pais e começa a tentar se adequar em um perfil que simplesmente não cabe nela. Após encontrar um emprego temporário em um escritório de comunicação, Kit recebe um convite para ir até A Loja, lá ela conhece o Vendedor (Samuel L. Jackson) e ele lhe oferece a incrível oportunidade de comprar seu próprio Unicórnio, mas antes ela precisa preencher alguns requisitos.


Este foi um filme que conversou muito comigo, porque a personagem passa por todo um processo para enfim conseguir se reencontrar. Ao ser …

CRÍTICA| Durante a tormenta

Durante a tormenta é um filme de drama/suspense espanhol, o longa foi lançado em 2018 e chegou este mês na Netflix. Devido a uma falha  no espaço-tempo causada por uma tempestade a jovem Vera Roy ( Adriana Ugarte) salva a vida de um garoto que morreu atropelado em 1989, no entanto ao mudar o passado ela também altera o futuro e faz com que  sua mude vida completamente.
Há muito tempo o cinema traz histórias de viagem no tempo e, um ponto em comum que a gente aprendeu em várias delas é que não se pode alterar o passado sem que haja muitas consequências no futuro. Em 'Durante a tormenta', Vera (Ugarte), perdeu sua filha, seu marido e toda a vida que ela conseguia se lembrar, mas com a ajuda do Inspetor Leyra (Chino Darín) ela vai tentar recuperar o que deixou para trás. Porém o que Vera (Ugarte) não se deu conta é que  em sua busca para recuperar uma vida antiga ela acabou não se importando em como estaria sua vida atual nesta nova realidade. 


Eu gostei muito de como o filme tra…