Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Os outros



Os Outros conta a história de Grace Stweart (Nicole Kidman) uma mulher que vive enclausurada em um grande mansão a espera de seu marido Charles ( Christopher Eccleston), um homem que nunca voltara para casa depois do fim da Segunda Guerra. Os filhos de Grace, Anne (Alakina Mann) e Nicholas (James Bentley), sofrem de uma rara doença que os torna sensíveis a luz, e por isso a casa vive mergulhada em um clima sombrio, muito típico aos filmes de terror.

Grace é uma mulher muito rígida em seus comportamentos e uma católica fervorosa, suas crenças não a deixam acreditar nos eventos sobrenaturais que seus filhos vem relatando a algum tempo, como por exemplo a presença de outras pessoas na casa. Grace se mantém cética até a chegada de três figuras misteriosas a mansão, Bertha (Fionnula Flanagan), Lydia (Elaine Cassydi) e Edmund (Eric Sykes), são três antigos empregados que retornam a casa para ajudar Grace.



Apesar de ser um filme de terror o roteiro não utiliza de recursos como o famoso jump scare para entreter o espectador, toda a tensão da casa é construída através do cenário sempre mal iluminado, da  névoa que vive rondando, da trilha sonora que mesmo discreta tem um papel importante para a trama e das atuações brilhantes de todos os atores, destaque aqui para Nicole Kidman e Alakina Mann.

No decorrer da história percebemos a abordagem de temas que envolvem  solidão e depressão pois todos os personagens passam o tempo todo isolados e enclausurados em uma grande casa, como se o mundo nunca olhasse para eles. Grace vive a espera de um marido que ela sabe que nunca mais voltará pra casa, você percebe essa solidão ir consumindo aos poucos a personagem, algumas vezes ela chega a reclamar de como toda sua família a deixou,  percebemos também que sua sanidade é colocada a prova com o passar da narrativa.

Eu gosto muito deste tipo de filme de terror que aposta muito mais na questão do drama familiar, na construção de bons personagens e na elaboração de um roteiro surpreendente, a meu ver Os outros foi tão surpreendente quanto assistir O sexto sentido e tão envolvente quando A maldição da residência Hill. Se você gosta de filmes de terror com menos sangue e mais construção de narrativa este filme com certeza deve entrar na sua lista. 

Os outros é um filme de 2001, o roteiro e a direção estavam nas mãos de Alejandro Amenábar

Veja o trailer abaixo:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÍTICA| Loja de Unicórnios e a singela mensagem de amadurecimento

Loja de Unicórnios entrou para o o catálogo da Netflix Brasil no ultimo dia 05 de abril. O longa foi o primeiro trabalho como diretora da atriz Brie Larson (Capitã Marvel, 2019), ela também estrela a produção. Loja de Unicórnios foi lançado em 2017 e é uma adaptação do roteiro escrito por Samantha McIntyre.
Kit (Larson)  é uma jovem que ao ser expulsa da faculdade de Artes começa a se sentir um perfeito fracasso. Sem saber muito o que fazer de sua vida, ela teve que voltar a morar na casa dos pais e começa a tentar se adequar em um perfil que simplesmente não cabe nela. Após encontrar um emprego temporário em um escritório de comunicação, Kit recebe um convite para ir até A Loja, lá ela conhece o Vendedor (Samuel L. Jackson) e ele lhe oferece a incrível oportunidade de comprar seu próprio Unicórnio, mas antes ela precisa preencher alguns requisitos.


Este foi um filme que conversou muito comigo, porque a personagem passa por todo um processo para enfim conseguir se reencontrar. Ao ser …

CRÍTICA| Operação Fronteira: um bom elenco para um roteiro mediano

Um dos lançamentos da Netflix em março deste ano foi o  longa de ação "Operação Fronteira". O filme estrelado por Ben Affleck, Charlie Hunnam, Garret Hedlund, Oscar Isaac e Pedro Pascal conta a história de cinco amigos e ex-combatentes do exército americano quando eles planejam assaltar a casa de um poderoso narco-traficante mexicano no meio da floresta Amazônica.
Pra ser sincera eu não achei o filme ruim, mas fiquei com a impressão de que faltava algo na história que prendesse mais a minha atenção. A sensação que o filme passa é sempre de que algo  muito ruim vai acontecer, ou de que o plano vai dar todo errado, e de certa forma é isso mesmo que acontece, mas acho que não exatamente do jeito que eu esperava. 
Outra coisa que me incomodou muito foi o fato de que a relação dos personagens não é bem contextualizada, ou seja, a gente não sabe como a relação deles começa, quais as dívidas que eles têm uns com os outros ou o porquê deles verem o personagem Tom Davis (Ben Affleck

CRÍTICA| Durante a tormenta

Durante a tormenta é um filme de drama/suspense espanhol, o longa foi lançado em 2018 e chegou este mês na Netflix. Devido a uma falha  no espaço-tempo causada por uma tempestade a jovem Vera Roy ( Adriana Ugarte) salva a vida de um garoto que morreu atropelado em 1989, no entanto ao mudar o passado ela também altera o futuro e faz com que  sua mude vida completamente.
Há muito tempo o cinema traz histórias de viagem no tempo e, um ponto em comum que a gente aprendeu em várias delas é que não se pode alterar o passado sem que haja muitas consequências no futuro. Em 'Durante a tormenta', Vera (Ugarte), perdeu sua filha, seu marido e toda a vida que ela conseguia se lembrar, mas com a ajuda do Inspetor Leyra (Chino Darín) ela vai tentar recuperar o que deixou para trás. Porém o que Vera (Ugarte) não se deu conta é que  em sua busca para recuperar uma vida antiga ela acabou não se importando em como estaria sua vida atual nesta nova realidade. 


Eu gostei muito de como o filme tra…