Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| O Justiceiro


Em janeiro a Netflix disponibilizou a segunda temporada de O Justiceiro. Eu já deixei aqui no blog algumas impressões que eu tive acerca do primeiro episódio e, quais eram as minhas expectativas para o restante da série. Nesta nova aventura Frank Castle (Jon Bernthal) entra em uma confusão enorme ao tentar ajudar a Amy (Georgia Whighan), uma garota que se envolveu com gente da pesada. Paralelo a isso Frank também terá que lidar com alguns fantasmas do seu passado.



Vou começar falando das coisas que me agradaram nesta temporada. A história da Amy é um arco muito interessante e de todos os personagens acho que ela foi a melhor pareceria para o Frank. Ela consegue amenizar e fazê-lo refletir sobre a agressividade dele sem cair na chatice que que foi a personagem da Karen Page (Deborah Ann Woll) na primeira temporada. Achei muito legal como a relação dos dois foi sendo construída ao longo dos episódios e, como eles se tornaram importantes um para o outro, de um jeito muito fraterno e verdadeiro. Ambos perderam tudo e de verta forma isso conectava os dois.



Outro ponto positivo é o  personagem John ( ou Robert, ninguém usa o nome verdadeiro nesta série), interpretado por Josh Stewart, ele é o responsável por matar os amigos da Amy e, pela caçar ela e Frank. A principio você pode achar que ele é apenas um capanga fanático religioso, mas ao poucos você percebe que ele também é uma pessoa cheia de fantasmas no passado e que acaba sendo obrigado a se envolver em uma trama maior do que ele, mesmo quando na verdade só o que queria era estar em casa com os filhos e a mulher doente.


De um modo geral achei a trama melhor do que a da primeira temporada que em alguns pontos foi muito arrastada e com cenas de ação excelentes e muito bem executadas. Porém esta temporada de O Justiceiro caiu no mesmo erro da segunda temporada de Demolidor, havia duas tramas principais acontecendo ao mesmo tempo que, a principio eu pensei que se cruzariam, mas infelizmente isso nunca chega a acontecer.



Em um dado momento o melhor amigo de Frank, Curtis (Jason R. Moore), fala  que ele tem  que lutar uma luta de cada vez, na verdade essa é uma pista do que o roteiro vai fazer, neste ponto da temporada a história da Amy é deixada de lado por um tempo para que a briga entre Frank e Russo possa acontecer. O problema de ter duas tramas assim acontecendo é que isso acaba atrapalhando o fio condutor da série, quando você começa a se envolver com uma trama eles cortam para contar a outra, acho que isso pode prejudicar o interesse do público.


Acredito que para essa questão levantada aqui há pelo menos duas soluções bem simples: ou as duas tramas se cruzam em algum ponto da história e os dois inimigos comuns passam a lutar lado a lado ou, a temporada deveria ser mais curta e focar em apenas uma trama, neste caso eu escolheria a da Amy, porque achei os personagens muito mais interessantes.

Gosto muito da interpretação do Ben Barnes dando vida ao personagem do Billy Russo, acho que ele foi muito bem tanto nesta quanto na primeira temporada, porém a caracterização dele como Retalho ficou muito, muito, muito aquém do esperado, qualquer barbinha leve já tampava quase todas aquelas cicatrizes, toda vez que ele choramingava pelo que o Frank fez com ele eu pensava no que ele fez com a família do Frank e achava que ele fez foi pouco, boa parte da série a cara do Justiceiro está mais estraçalhada do que a dele.


E para terminar mais uma coisa que me incomodou na série mas que eu gostei da forma como Frank lidou com isso. O tempo todo Madani (Amber Rose Revah) e Curtis criticam a forma de agir do Justiceiro, dizem que ele está fora de controle, que está parecendo com o Billy, que não era pra ele ser assim, que as atitudes dele não o tornam melhor do que quem ele mata, porém, quando o cerco aperta os dois acabam chamando o Frank para resolver. Por outro lado é a primeira vez que o Frank aceita a forma como ele é, entende que ele sempre foi assim e que, não foi a morte da família que o deixou desse jeito, então quem quiser a ajuda dele, já sabe como é seu modus operandi.



Gostei muito desta segunda temporada, espero que a Netflix renove e que a gente tenha a chance de acompanhar um pouco mais das aventuras do Justiceiro. Então se você gosta de séries de ação, com muita violência, mas que tem ali uma trama acontecendo, eu super indico a série do Punisher.

Veja abaixo o trailer desta temporada:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÍTICA| Operação Fronteira: um bom elenco para um roteiro mediano

Um dos lançamentos da Netflix em março deste ano foi o  longa de ação "Operação Fronteira". O filme estrelado por Ben Affleck, Charlie Hunnam, Garret Hedlund, Oscar Isaac e Pedro Pascal conta a história de cinco amigos e ex-combatentes do exército americano quando eles planejam assaltar a casa de um poderoso narco-traficante mexicano no meio da floresta Amazônica.
Pra ser sincera eu não achei o filme ruim, mas fiquei com a impressão de que faltava algo na história que prendesse mais a minha atenção. A sensação que o filme passa é sempre de que algo  muito ruim vai acontecer, ou de que o plano vai dar todo errado, e de certa forma é isso mesmo que acontece, mas acho que não exatamente do jeito que eu esperava. 
Outra coisa que me incomodou muito foi o fato de que a relação dos personagens não é bem contextualizada, ou seja, a gente não sabe como a relação deles começa, quais as dívidas que eles têm uns com os outros ou o porquê deles verem o personagem Tom Davis (Ben Affleck

CRÍTICA| Loja de Unicórnios e a singela mensagem de amadurecimento

Loja de Unicórnios entrou para o o catálogo da Netflix Brasil no ultimo dia 05 de abril. O longa foi o primeiro trabalho como diretora da atriz Brie Larson (Capitã Marvel, 2019), ela também estrela a produção. Loja de Unicórnios foi lançado em 2017 e é uma adaptação do roteiro escrito por Samantha McIntyre.
Kit (Larson)  é uma jovem que ao ser expulsa da faculdade de Artes começa a se sentir um perfeito fracasso. Sem saber muito o que fazer de sua vida, ela teve que voltar a morar na casa dos pais e começa a tentar se adequar em um perfil que simplesmente não cabe nela. Após encontrar um emprego temporário em um escritório de comunicação, Kit recebe um convite para ir até A Loja, lá ela conhece o Vendedor (Samuel L. Jackson) e ele lhe oferece a incrível oportunidade de comprar seu próprio Unicórnio, mas antes ela precisa preencher alguns requisitos.


Este foi um filme que conversou muito comigo, porque a personagem passa por todo um processo para enfim conseguir se reencontrar. Ao ser …

CRÍTICA| Durante a tormenta

Durante a tormenta é um filme de drama/suspense espanhol, o longa foi lançado em 2018 e chegou este mês na Netflix. Devido a uma falha  no espaço-tempo causada por uma tempestade a jovem Vera Roy ( Adriana Ugarte) salva a vida de um garoto que morreu atropelado em 1989, no entanto ao mudar o passado ela também altera o futuro e faz com que  sua mude vida completamente.
Há muito tempo o cinema traz histórias de viagem no tempo e, um ponto em comum que a gente aprendeu em várias delas é que não se pode alterar o passado sem que haja muitas consequências no futuro. Em 'Durante a tormenta', Vera (Ugarte), perdeu sua filha, seu marido e toda a vida que ela conseguia se lembrar, mas com a ajuda do Inspetor Leyra (Chino Darín) ela vai tentar recuperar o que deixou para trás. Porém o que Vera (Ugarte) não se deu conta é que  em sua busca para recuperar uma vida antiga ela acabou não se importando em como estaria sua vida atual nesta nova realidade. 


Eu gostei muito de como o filme tra…