Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Mary Shelley e a criação que vem da solidão



Há mais de duzentos anos a autora Mary Shelley dava vida a uma das criaturas mais emblemáticas da literatura fantástica mundial, para celebrar esta data a diretora Haifaa Al-Mansour e a roteirista Emma Jensen transformaram em filme todo o processo criativo que culminou na criação do monstro de Victor Frankenstein.

A jovem Mary Wollstonecraft Goldwin (Elle Fanning) é obrigada a deixar Londres e ir para Escócia devido à uma série de desentendimentos com sua madrasta. Durante esta temporada longe de casa ela conhece o jovem e famoso poeta Percy Shelley (Douglas Booth) por quem tem uma paixão quase que instantânea. Sem saber que seu pretendente era casado, Mary se envolve com ele e, assim começa sua intensa jornada de paixões e decepções que culminarão na criação da Criatura.



Durante o breve período que se passa a história do filme Mary enfrenta a perda de sua primeira filha com Shelley, que a faz desmoronar em uma profunda depressão, lida com o jeito disfuncional do parceiro e com a carência de sua meia-irmã, Claire (Bel Powley), desce até o fundo poço e, quando enfim consegue ressurgir com seu Prometeu Moderno, tem ainda de enfrentar todo o machismo que permeia a época e que enfrentamos até hoje.

Apesar de ter escrito uma obra genial Mary tem seu manuscrito negado por diversas editoras e, quando uma delas enfim decide publicá-lo, é apenas sob a condição de que seja publicado anonimamente e que seu então companheiro Percy Shelley escreva a introdução. O reconhecimento pelo seu trabalho só chega anos depois, quando na segunda edição, finalmente o livro é publicado dando seu devido crédito à agora Mary Shelley.



Um dos momentos do filme que mais me pegou foi quando Claire, a meia-irmã de Mary, diz a ela o que sentiu lendo sua história, naquele momento ela se sentira como o monstro que havia sido renegado pelo seu próprio criador e que agora queria buscar sua vingança. É interessante perceber como essa história, assim como inúmeras outras que vieram depois dela, apenas usa do artifício da criação do monstro para expressar sentimentos e necessidades que são profundamente humanos como a angústia, solidão e o completo abandono do outro e de si mesmo.



Eu gostei muito do filme, não é uma grande adapção, mas acho inclusive que ele nem se vendeu dessa forma. As atuações são muito boas, dando destaque aqui para Elle Fanning e Bel Powley que souberam dar vida a suas respectivas personagens. Mary Shelley está disponível na Netflix e acho que é um bom filme para você investir seu tempo neste fim de semana.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICAS| Dez filmes de terror pra você se arrepiar

O carnaval tá chegando e eu sei que tem muita gente que não gosta de ir pra folia, então pra você que não é de festa mas é de ficar em casa descansando eu separei aqui onze filmes de terror pra você que se assusta com a quantidade de gente que está na rua.
OS OUTROS (2001)

Grace Stewart (Nicole Kidman) é uma mulher católica fervorosa que mora em uma casa isolada com seus dois filhos enquanto espera seu marido voltar da guerra. Depois da chegada de três misteriosas figuras coisas estranhas começam a acontecer na mansão dos Stewart.
A BRUXA (2016)

Isolada em uma fazenda deserta uma família britânica do século XVII começa a presenciar acontecimentos muito estranhos após o sumiço de seu filho mais novo. 
HEREDITÁRIO (2018)

Após a morte de sua matriarca a família Graham começa a presenciar acontecimentos sobrenaturais que podem estar relacionados com o passado nebuloso da falecida. O que eu acho mais legal nesse filme é o fato do espectador começar a questionar a sanidade dos personagens.
COR…

GOT-8| Cinco momentos do primeiro episódio que fazem arrepiar

Depois de dois anos de espera, ontem (14) finalmente começou a oitava e ultima temporada de Game of Thrones, confesso que tive até palpitação antes do novo episódio começar, mas sobrevivi e vim aqui para listar cinco momentos deste inicio temporada que me fizeram ficar arrepiada!

CUIDADO! ESTE TEXTO CONTÉM SPOILER DO PRIMEIRO EPISÓDIO DE GOT!!

.... SÉRIO MESMO, SE VOCÊ NÃO ASSISTIU É MELHOR PARAR POR AQUI...

 ...ULTIMA CHANCE PARA IR EMBORA...

 LYANNA MORMONT FADA SENSATA

Vou te dizer que a Lady Mormont ( Bella Ramsey) é afrontosa mesmo! Eu fiquei com a cara no chão quando ela confronta o Jon ( Kit Harington) dizendo: "Você saiu daqui com o Rei do Norte e agora volta como nada". O Norte se lembra e não gosta de forasteiros.
O RECADO DO REI DA NOITE

No último episódio da sétima temporada nós vimos o Rei da Noite (Vladmir Furdik) destruir a muralha com o Dragão que ele havia acabado de ganhar de presente. Agora ele e seu exércitos de mortos rumam para o Norte e no caminho resolver…

CRÍTICA| Durante a tormenta

Durante a tormenta é um filme de drama/suspense espanhol, o longa foi lançado em 2018 e chegou este mês na Netflix. Devido a uma falha  no espaço-tempo causada por uma tempestade a jovem Vera Roy ( Adriana Ugarte) salva a vida de um garoto que morreu atropelado em 1989, no entanto ao mudar o passado ela também altera o futuro e faz com que  sua mude vida completamente.
Há muito tempo o cinema traz histórias de viagem no tempo e, um ponto em comum que a gente aprendeu em várias delas é que não se pode alterar o passado sem que haja muitas consequências no futuro. Em 'Durante a tormenta', Vera (Ugarte), perdeu sua filha, seu marido e toda a vida que ela conseguia se lembrar, mas com a ajuda do Inspetor Leyra (Chino Darín) ela vai tentar recuperar o que deixou para trás. Porém o que Vera (Ugarte) não se deu conta é que  em sua busca para recuperar uma vida antiga ela acabou não se importando em como estaria sua vida atual nesta nova realidade. 


Eu gostei muito de como o filme tra…