Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Mary Shelley e a criação que vem da solidão



Há mais de duzentos anos a autora Mary Shelley dava vida a uma das criaturas mais emblemáticas da literatura fantástica mundial, para celebrar esta data a diretora Haifaa Al-Mansour e a roteirista Emma Jensen transformaram em filme todo o processo criativo que culminou na criação do monstro de Victor Frankenstein.

A jovem Mary Wollstonecraft Goldwin (Elle Fanning) é obrigada a deixar Londres e ir para Escócia devido à uma série de desentendimentos com sua madrasta. Durante esta temporada longe de casa ela conhece o jovem e famoso poeta Percy Shelley (Douglas Booth) por quem tem uma paixão quase que instantânea. Sem saber que seu pretendente era casado, Mary se envolve com ele e, assim começa sua intensa jornada de paixões e decepções que culminarão na criação da Criatura.



Durante o breve período que se passa a história do filme Mary enfrenta a perda de sua primeira filha com Shelley, que a faz desmoronar em uma profunda depressão, lida com o jeito disfuncional do parceiro e com a carência de sua meia-irmã, Claire (Bel Powley), desce até o fundo poço e, quando enfim consegue ressurgir com seu Prometeu Moderno, tem ainda de enfrentar todo o machismo que permeia a época e que enfrentamos até hoje.

Apesar de ter escrito uma obra genial Mary tem seu manuscrito negado por diversas editoras e, quando uma delas enfim decide publicá-lo, é apenas sob a condição de que seja publicado anonimamente e que seu então companheiro Percy Shelley escreva a introdução. O reconhecimento pelo seu trabalho só chega anos depois, quando na segunda edição, finalmente o livro é publicado dando seu devido crédito à agora Mary Shelley.



Um dos momentos do filme que mais me pegou foi quando Claire, a meia-irmã de Mary, diz a ela o que sentiu lendo sua história, naquele momento ela se sentira como o monstro que havia sido renegado pelo seu próprio criador e que agora queria buscar sua vingança. É interessante perceber como essa história, assim como inúmeras outras que vieram depois dela, apenas usa do artifício da criação do monstro para expressar sentimentos e necessidades que são profundamente humanos como a angústia, solidão e o completo abandono do outro e de si mesmo.



Eu gostei muito do filme, não é uma grande adapção, mas acho inclusive que ele nem se vendeu dessa forma. As atuações são muito boas, dando destaque aqui para Elle Fanning e Bel Powley que souberam dar vida a suas respectivas personagens. Mary Shelley está disponível na Netflix e acho que é um bom filme para você investir seu tempo neste fim de semana.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÉRIE| A maldição da residência Hill

Em outubro desse ano a Netflix estreou a primeira temporada da série de terror “A maldição da Residência Hill (The Haunting of Hill House)”, criada porMike Flanagane baseada no livro homônimo de Shirley Jackson (1959). A série conta a história da família Crane durante o período em moraram na mansão Hill e como os eventos que aconteceram na casa afetaram a família para sempre. Confesso que antes de assistir fiquei um pouco apreensiva, não porque tenho medo de filmes/ séries de terror (apesar de ser muito sugestionável), meu receio era a série ficar maçante com excessos de "jump scare", mas isso não aconteceu, os sustos são pontuais e a história fica muito mais focada no drama familiar.

Outro ponto a ser elogiado é a montagem dos episódios, os momentos em que passado e presente se intercalam foram construídos de maneira perfeita, sem ficar cansativo ou desgastante. É interessante reparar também que no inicio da série esses momentos eram avisados com legenda, mas depois foram fic…

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix

Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".
Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.


O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.
O …

CRÍTICA| O ‘Vidro’ estava mais ‘Fragmentado’ do que pensávamos

Vidro (2019) estreou em janeiro para fechar a trilogia iniciada por M. Knight Shyamalan em 2000 com ‘Corpo Fechado’. Conectando os dois primeiros capítulos e encerrando o arco dos super-heróis da vida real o filme que estreou com um elenco de peso (Samuel L. Jackson, Bruce Willis, James McAvoy e Sarah Paulson), foi apenas um filme pouco interessante com explicações jogadas e falta de vontade em aprofundar em uma história que já é, por natureza, extremamente profunda.




Para quem acompanhou os dois primeiros filmes e aguardava alguma inovação que se equiparasse aos planos “quadrinescos” de Corpo Fechado, onde o elenco era filmado através de janelas ou espelhos para criar a sensação de história em quadrinhos ou os diversos planos de câmera que expandem ainda mais as personalidades de Kevin (James McAvoy).
Dessa vez temos um pouco apenas de psicologia das cores para diferenciar os personagens, M. Knight Shyamalan, usou o Twiter para explicar a escolha da paleta de cores para cada personagem.…