Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Porque você deve assistir Dumplin



Dumplin é um filme baseado no livro homônimo de Julie Murphy, na história, Willowdean ( Danielle Macdonald) decide entrar no concurso de miss da cidade para afrontar sua mãe, Rosie (Jennifer Aniston), ex-miss e atual organizadora do concurso de beleza. A inscrição de Will para a competição se torna uma forma de protesto e incentiva outras garotas fora dos padrões a se inscreverem também para o concurso.

A primeira coisa que eu gostaria de falar sobre o filme é sobre como ele não coloca mulheres como vilãs ou megeras da história. No começo nós vemos a personagem de Jennifer Aniston apenas pelo olhar de Willowdean e, como elas não tem uma boa relação, nós tendemos a achar que Rosie é uma péssima pessoa, porém com o decorrer da história nós entendemos um pouco mais sobre as nuances da personagem. Will também não é uma mocinha clássica, às vezes na verdade ela é bem babaca com as pessoas que a cercam e, acaba descontando suas inseguranças e preconceitos em quem está por perto.


Lendo sobre  o filme eu vi algumas pessoas falando sobre como a personagem principal é segura com seu corpo mas, ao assisti-lo eu percebi que não é exatamente assim. Apesar não estar tentando emagrecer e nem se encaixar nos padrões Will é uma garota insegura que por exemplo não acreditava que um garoto bonito pudesse se interessar por ela. A conquista pela aceitação vem com o decorrer da história quando ela vai quebrando seus próprios preconceitos tanto em relação a si mesma quanto em relação aos outros.



Quero ressaltar aqui todo meu amor pela personagem Millie (Maddie Baillio), ela é gorda assim como Will e, apesar da presença dela no concurso ser um protesto também é um sonho que ela sustenta desde criança e que nunca tinha se permitido realizar. A personage  ganha nossos corações com seu jeito meigo e espontâneo de enxergar as coisas, apesar de estarem do mesmo lado ela é tipo o contraponto de Willowdean.


Se eu fosse comparar Dunplin com algum outro filme eu diria que ele tem a mesma linha de Pequena Miss Sunshine, obviamente guardando aí as devidas diferenças, eu digo isso porque é óbvio que nenhuma delas vai ganhar o concurso de miss, mas no fim não é isso que importa e, sim toda a jornada que elas trilharam para chegar até ali.

Dumplin com certeza entrou para o meu hall de 'feel good movies' e certamente se você está procurando uma dramédia bem leve e divertida para assistir na Netflix o filme dirigido por Anne Fletcher está recomendadíssimo.

Assista o trailer abaixo: 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TERROR| Vale a pena assistir ao filme "Mara"?

Olga Kurylenko no filme "Mara" Esses dias eu vi algumas pessoas comentando sobre um filme de terror chamado "Mara" (2018) , sem saber muito bem que filme era esse fui verificar se ele estava disponível na Netflix para poder assisti-lo e dizer pra vocês se vale a pena ou não dedicar um tempo de vida a ele.  O filme conta a história de Kate (Olga Kurylenko) uma psicóloga forense que se vê as voltas com um caso de assassinato misterioso no qual a única suspeita afirma que seu marido foi estrangulado na própria cama por um demônio do sono. Imagem do filme "Mara", de Clive Tonge Eu achei que a história poderia ser interessante e, confesso que até fiquei com medo de não dormir a noite, já que eu tenho paralisia do sono e sou facilmente sugestionável. Porém o roteiro não entrega o que promete e acaba utilizando muitos 'jump scares' para assustar, esse recurso é tão utilizado que em dado momento o espectador já nem se assusta mais p

NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança. Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo. Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteiri

GOT| Os melhores e os piores momentos do 3º episódio

Este domingo foi ao ar o terceiro episódio da ultima temporada de Game of Thrones , se você assim como eu é fã da série provavelmente estava muito ansioso por este momento, afinal depois de oito anos andando em círculos além da muralha finalmente o Rei da Noite chegaria em Winterfell , com seu dragão zumbi e seu exércitos de mortos-vivos para travar o que seria a batalha mais épica da história da TV. Apesar de ter sido um bom episódio, algumas escolhas de roteiro deixaram muito a desejar e acabaram decepcionando alguns fãs da série, pensando nisso nós listamos aqui os seis melhores e os cinco piores momentos da Batalha de Winterfell . ATENÇÃO ESTE TEXTO TEM SPOILER DO EPISÓDIO DE ONTEM, SE VOCÊ NÃO ASSISTIU AINDA VOLTE MAIS TARDE OU LEIA POR SUA CONTA EM RISCO! A MISSÃO DE MELISANDRE Eu estou muito longe de transformar a Melisandre (Carice Van Houten) na rainha da série, a morte da Shireen ainda estava entalada na minha garganta no episódio de ontem e eu olhav