Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Porque você deve assistir Dumplin



Dumplin é um filme baseado no livro homônimo de Julie Murphy, na história, Willowdean ( Danielle Macdonald) decide entrar no concurso de miss da cidade para afrontar sua mãe, Rosie (Jennifer Aniston), ex-miss e atual organizadora do concurso de beleza. A inscrição de Will para a competição se torna uma forma de protesto e incentiva outras garotas fora dos padrões a se inscreverem também para o concurso.

A primeira coisa que eu gostaria de falar sobre o filme é sobre como ele não coloca mulheres como vilãs ou megeras da história. No começo nós vemos a personagem de Jennifer Aniston apenas pelo olhar de Willowdean e, como elas não tem uma boa relação, nós tendemos a achar que Rosie é uma péssima pessoa, porém com o decorrer da história nós entendemos um pouco mais sobre as nuances da personagem. Will também não é uma mocinha clássica, às vezes na verdade ela é bem babaca com as pessoas que a cercam e, acaba descontando suas inseguranças e preconceitos em quem está por perto.


Lendo sobre  o filme eu vi algumas pessoas falando sobre como a personagem principal é segura com seu corpo mas, ao assisti-lo eu percebi que não é exatamente assim. Apesar não estar tentando emagrecer e nem se encaixar nos padrões Will é uma garota insegura que por exemplo não acreditava que um garoto bonito pudesse se interessar por ela. A conquista pela aceitação vem com o decorrer da história quando ela vai quebrando seus próprios preconceitos tanto em relação a si mesma quanto em relação aos outros.



Quero ressaltar aqui todo meu amor pela personagem Millie (Maddie Baillio), ela é gorda assim como Will e, apesar da presença dela no concurso ser um protesto também é um sonho que ela sustenta desde criança e que nunca tinha se permitido realizar. A personage  ganha nossos corações com seu jeito meigo e espontâneo de enxergar as coisas, apesar de estarem do mesmo lado ela é tipo o contraponto de Willowdean.


Se eu fosse comparar Dunplin com algum outro filme eu diria que ele tem a mesma linha de Pequena Miss Sunshine, obviamente guardando aí as devidas diferenças, eu digo isso porque é óbvio que nenhuma delas vai ganhar o concurso de miss, mas no fim não é isso que importa e, sim toda a jornada que elas trilharam para chegar até ali.

Dumplin com certeza entrou para o meu hall de 'feel good movies' e certamente se você está procurando uma dramédia bem leve e divertida para assistir na Netflix o filme dirigido por Anne Fletcher está recomendadíssimo.

Assista o trailer abaixo: 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÍTICA| Loja de Unicórnios e a singela mensagem de amadurecimento

Loja de Unicórnios entrou para o o catálogo da Netflix Brasil no ultimo dia 05 de abril. O longa foi o primeiro trabalho como diretora da atriz Brie Larson (Capitã Marvel, 2019), ela também estrela a produção. Loja de Unicórnios foi lançado em 2017 e é uma adaptação do roteiro escrito por Samantha McIntyre.
Kit (Larson)  é uma jovem que ao ser expulsa da faculdade de Artes começa a se sentir um perfeito fracasso. Sem saber muito o que fazer de sua vida, ela teve que voltar a morar na casa dos pais e começa a tentar se adequar em um perfil que simplesmente não cabe nela. Após encontrar um emprego temporário em um escritório de comunicação, Kit recebe um convite para ir até A Loja, lá ela conhece o Vendedor (Samuel L. Jackson) e ele lhe oferece a incrível oportunidade de comprar seu próprio Unicórnio, mas antes ela precisa preencher alguns requisitos.


Este foi um filme que conversou muito comigo, porque a personagem passa por todo um processo para enfim conseguir se reencontrar. Ao ser …

CRÍTICA| Operação Fronteira: um bom elenco para um roteiro mediano

Um dos lançamentos da Netflix em março deste ano foi o  longa de ação "Operação Fronteira". O filme estrelado por Ben Affleck, Charlie Hunnam, Garret Hedlund, Oscar Isaac e Pedro Pascal conta a história de cinco amigos e ex-combatentes do exército americano quando eles planejam assaltar a casa de um poderoso narco-traficante mexicano no meio da floresta Amazônica.
Pra ser sincera eu não achei o filme ruim, mas fiquei com a impressão de que faltava algo na história que prendesse mais a minha atenção. A sensação que o filme passa é sempre de que algo  muito ruim vai acontecer, ou de que o plano vai dar todo errado, e de certa forma é isso mesmo que acontece, mas acho que não exatamente do jeito que eu esperava. 
Outra coisa que me incomodou muito foi o fato de que a relação dos personagens não é bem contextualizada, ou seja, a gente não sabe como a relação deles começa, quais as dívidas que eles têm uns com os outros ou o porquê deles verem o personagem Tom Davis (Ben Affleck

CRÍTICA| Durante a tormenta

Durante a tormenta é um filme de drama/suspense espanhol, o longa foi lançado em 2018 e chegou este mês na Netflix. Devido a uma falha  no espaço-tempo causada por uma tempestade a jovem Vera Roy ( Adriana Ugarte) salva a vida de um garoto que morreu atropelado em 1989, no entanto ao mudar o passado ela também altera o futuro e faz com que  sua mude vida completamente.
Há muito tempo o cinema traz histórias de viagem no tempo e, um ponto em comum que a gente aprendeu em várias delas é que não se pode alterar o passado sem que haja muitas consequências no futuro. Em 'Durante a tormenta', Vera (Ugarte), perdeu sua filha, seu marido e toda a vida que ela conseguia se lembrar, mas com a ajuda do Inspetor Leyra (Chino Darín) ela vai tentar recuperar o que deixou para trás. Porém o que Vera (Ugarte) não se deu conta é que  em sua busca para recuperar uma vida antiga ela acabou não se importando em como estaria sua vida atual nesta nova realidade. 


Eu gostei muito de como o filme tra…