Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Como eu era antes de você


Há algum tempo eu li o livro "Como eu era antes de você" da escritora britânica Jojo Moyes e, confesso que fiquei muito animada quando soube que o livro teria uma adaptação para o cinema com Sam Claflin e Emilia Clarke para os papeis dos protagonistas Will e Lou.

Na história Will (Claflin) é um jovem que tinha muito amor pela vida mas que tem seu mundo destruído após ficar tetraplégico após um acidente de moto (ele foi atropelado). Sem poder se locomover Will volta para casa dos pais e dois anos após o acidente ele conhece a carismática Lou (Clarke), uma jovem com gosto peculiares para roupas e com um grande coração.



No início a relação dos dois não é boa pois Will está amargurado por causa de sua condição, mas aos poucos Lou consegue quebrar o gelo e os dois começam a construir uma relação de amizade, carinho e amor. O plot da história é que Will não deseja mais viver, ele sofre muito com seu estado (tanto física quanto emocionalmente) e já decidiu por um fim a sua história através do suicídio assistido. Por um tempo Lou acredita que pode persuadir o rapaz mas, inevitavelmente ela se dá conta de que ele já tomou e sua decisão independente de qualquer coisa que acontecesse.

Uma das coisas que eu mais gosto nesta história é a forma como os personagens mudam a vida um do outro. Will ensina a Lou que a vida pode ser muito mais do aquilo que ela conhece, mostra a ela novas possibilidades que antes ela havia simplesmente ignorado, enxerga nela uma pessoa com potencial gigante mas que se podou muito ao longo da vida. Em contrapartida Lou dá um novo sentido aos últimos dias de Will, é como se ela tivesse sido a luz de seus dias que há muito tempo andavam escuros. 



Achei que o filme é muito fiel ao livro, obviamente algumas partes foram simplificadas para que a histórias das telonas tivesse mais fluidez. Sam e Emília tem uma química muito boa e gostei do tom que eles deram aos seus personagens, realmente achei que eles foram cativantes no papel dos protagonistas. Obviamente o filme não é a maior obra da sétima arte que você verá, mas ele também não me parece se vender com essa pretensão. É um bom filme que consegue entregar algumas e risadas e muitas lágrimas (pelo menos pra mim que sou chorona).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MARVEL| Avengers, Assemble!

[TEXTO COM SPOILER]


Sábado a noite eu fui assistir  Vingadores: Ultimato e, assim como todos os fãs que vem acompanhando a saga destes heróis nos últimos dez anos, eu estava muito ansiosa e com medo tanto me decepcionar, quanto de perder alguns dos meus personagens favoritos. Então já vou começar este texto dizendo que eu não me decepcionei, o filme é excelente e apesar de longo em nenhum momento ele fica arrastado ou cansativo.
Vou listar aqui alguns pontos do filme que me fizeram vibrar na cadeira do cinema:
OUTROS ÂNGULOS DA HISTÓRIA
Como muitas teorias já vinham falando em Vingadores:Ultimato os heróis voltam no tempo para consertar o estrago feito pelo estalar de dedos do vilão Thanos (Josh Brolin). A questão é que  eles não voltam para a batalha contra o vilão e sim para pegar de volta as Jóias do Infinito e assim poder trazer de volta as pessoas que tinham virado poeira. Porém o mais interessante disso é que eles voltam exatamente para momentos específicos de filmes anteriores e…

NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança.
Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo.



Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteirizado pelo próprio Kheiron, Seme…

CRÍTICA| Durante a tormenta

Durante a tormenta é um filme de drama/suspense espanhol, o longa foi lançado em 2018 e chegou este mês na Netflix. Devido a uma falha  no espaço-tempo causada por uma tempestade a jovem Vera Roy ( Adriana Ugarte) salva a vida de um garoto que morreu atropelado em 1989, no entanto ao mudar o passado ela também altera o futuro e faz com que  sua mude vida completamente.
Há muito tempo o cinema traz histórias de viagem no tempo e, um ponto em comum que a gente aprendeu em várias delas é que não se pode alterar o passado sem que haja muitas consequências no futuro. Em 'Durante a tormenta', Vera (Ugarte), perdeu sua filha, seu marido e toda a vida que ela conseguia se lembrar, mas com a ajuda do Inspetor Leyra (Chino Darín) ela vai tentar recuperar o que deixou para trás. Porém o que Vera (Ugarte) não se deu conta é que  em sua busca para recuperar uma vida antiga ela acabou não se importando em como estaria sua vida atual nesta nova realidade. 


Eu gostei muito de como o filme tra…