Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Você está no controle em Bandersnatch?


Manhã do último domingo de 2018, data que exerci o poder de escolha e decidi, juntamente com minha namorada, conferir a experiência interativa recém lançada pela Netflix, Black Mirror: Bandersnatch.
Após as explicações iniciais de como funcionaria o sistema de escolhas, que nos dá 10 segundos para decidir qual rumo a história irá tomar iniciamos nossa jornada na vida de Stefan em sua jornada para criar o jogo homônimo ao filme.
A sensação de poder escolher o rumo da história é bem interessante, porém o excesso de metalinguagem já nos indica que não é bem assim. Logo no início somos direcionados a fazer escolhas básicas como o tipo de cereal que Stefan irã comer no café da manhã ou qual música ele irá ouvir em seu Walkman (o filme é ambientado em 1984).
Referência ao episódio Metal Head de Black Mirror.
Tanto Metal Head como Bandersnatch foram dirigidos por David Slade
Mais à frente quando Stefan está apresentando seu jogo nos estúdios Tuckersoft recebemos a informação mais broxante de toda a obra. Dependendo da sua escolha você é agraciado com a bela fala: “Escolha errada!”, vinda de um dos personagens e a história se encaminha para um paradoxo, te levando a um ponto onde você terá que decidir por repetir a cena anterior ou voltar para o início do filme. Ou seja, você não está tão no controle assim. Talvez, você nem esteja no controle, o que acontece é que você acredita que está, assim como Stefan acredita, a diferença é que Stefan não fica frustrado com o roteiro arrastado e os finais pouco interessantes que Bandersnatch te leva. Nem mesmo as referências a Donnie Darko e ao episódio Metalhead (que na minha opinião é o mais chato de Black Mirror e, assim como Bandersnatch, é dirigido por David Slade) salvam a obra.

Veja também:
A maldição da residência Hill

Verdades reveladas em 'Nada a esconder'

Vale a pena assistir ao filme "Mara"?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÍTICA| Operação Fronteira: um bom elenco para um roteiro mediano

Um dos lançamentos da Netflix em março deste ano foi o  longa de ação "Operação Fronteira". O filme estrelado por Ben Affleck, Charlie Hunnam, Garret Hedlund, Oscar Isaac e Pedro Pascal conta a história de cinco amigos e ex-combatentes do exército americano quando eles planejam assaltar a casa de um poderoso narco-traficante mexicano no meio da floresta Amazônica.
Pra ser sincera eu não achei o filme ruim, mas fiquei com a impressão de que faltava algo na história que prendesse mais a minha atenção. A sensação que o filme passa é sempre de que algo  muito ruim vai acontecer, ou de que o plano vai dar todo errado, e de certa forma é isso mesmo que acontece, mas acho que não exatamente do jeito que eu esperava. 
Outra coisa que me incomodou muito foi o fato de que a relação dos personagens não é bem contextualizada, ou seja, a gente não sabe como a relação deles começa, quais as dívidas que eles têm uns com os outros ou o porquê deles verem o personagem Tom Davis (Ben Affleck

CRÍTICA| Durante a tormenta

Durante a tormenta é um filme de drama/suspense espanhol, o longa foi lançado em 2018 e chegou este mês na Netflix. Devido a uma falha  no espaço-tempo causada por uma tempestade a jovem Vera Roy ( Adriana Ugarte) salva a vida de um garoto que morreu atropelado em 1989, no entanto ao mudar o passado ela também altera o futuro e faz com que  sua mude vida completamente.
Há muito tempo o cinema traz histórias de viagem no tempo e, um ponto em comum que a gente aprendeu em várias delas é que não se pode alterar o passado sem que haja muitas consequências no futuro. Em 'Durante a tormenta', Vera (Ugarte), perdeu sua filha, seu marido e toda a vida que ela conseguia se lembrar, mas com a ajuda do Inspetor Leyra (Chino Darín) ela vai tentar recuperar o que deixou para trás. Porém o que Vera (Ugarte) não se deu conta é que  em sua busca para recuperar uma vida antiga ela acabou não se importando em como estaria sua vida atual nesta nova realidade. 


Eu gostei muito de como o filme tra…

CRÍTICA| Loja de Unicórnios e a singela mensagem de amadurecimento

Loja de Unicórnios entrou para o o catálogo da Netflix Brasil no ultimo dia 05 de abril. O longa foi o primeiro trabalho como diretora da atriz Brie Larson (Capitã Marvel, 2019), ela também estrela a produção. Loja de Unicórnios foi lançado em 2017 e é uma adaptação do roteiro escrito por Samantha McIntyre.
Kit (Larson)  é uma jovem que ao ser expulsa da faculdade de Artes começa a se sentir um perfeito fracasso. Sem saber muito o que fazer de sua vida, ela teve que voltar a morar na casa dos pais e começa a tentar se adequar em um perfil que simplesmente não cabe nela. Após encontrar um emprego temporário em um escritório de comunicação, Kit recebe um convite para ir até A Loja, lá ela conhece o Vendedor (Samuel L. Jackson) e ele lhe oferece a incrível oportunidade de comprar seu próprio Unicórnio, mas antes ela precisa preencher alguns requisitos.


Este foi um filme que conversou muito comigo, porque a personagem passa por todo um processo para enfim conseguir se reencontrar. Ao ser …