Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Você está no controle em Bandersnatch?


Manhã do último domingo de 2018, data que exerci o poder de escolha e decidi, juntamente com minha namorada, conferir a experiência interativa recém lançada pela Netflix, Black Mirror: Bandersnatch.
Após as explicações iniciais de como funcionaria o sistema de escolhas, que nos dá 10 segundos para decidir qual rumo a história irá tomar iniciamos nossa jornada na vida de Stefan em sua jornada para criar o jogo homônimo ao filme.
A sensação de poder escolher o rumo da história é bem interessante, porém o excesso de metalinguagem já nos indica que não é bem assim. Logo no início somos direcionados a fazer escolhas básicas como o tipo de cereal que Stefan irã comer no café da manhã ou qual música ele irá ouvir em seu Walkman (o filme é ambientado em 1984).
Referência ao episódio Metal Head de Black Mirror.
Tanto Metal Head como Bandersnatch foram dirigidos por David Slade
Mais à frente quando Stefan está apresentando seu jogo nos estúdios Tuckersoft recebemos a informação mais broxante de toda a obra. Dependendo da sua escolha você é agraciado com a bela fala: “Escolha errada!”, vinda de um dos personagens e a história se encaminha para um paradoxo, te levando a um ponto onde você terá que decidir por repetir a cena anterior ou voltar para o início do filme. Ou seja, você não está tão no controle assim. Talvez, você nem esteja no controle, o que acontece é que você acredita que está, assim como Stefan acredita, a diferença é que Stefan não fica frustrado com o roteiro arrastado e os finais pouco interessantes que Bandersnatch te leva. Nem mesmo as referências a Donnie Darko e ao episódio Metalhead (que na minha opinião é o mais chato de Black Mirror e, assim como Bandersnatch, é dirigido por David Slade) salvam a obra.

Veja também:
A maldição da residência Hill

Verdades reveladas em 'Nada a esconder'

Vale a pena assistir ao filme "Mara"?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança.
Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo.



Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteirizado pelo próprio Kheiron, Seme…

TERROR| Vale a pena assistir ao filme "Mara"?

Esses dias eu vi algumas pessoas comentando sobre um filme de terror chamado "Mara" (2018) , sem saber muito bem que filme era esse fui verificar se ele estava disponível na Netflix para poder assisti-lo e dizer pra vocês se vale a pena ou não dedicar um tempo de vida a ele. 
O filme conta a história de Kate (Olga Kurylenko) uma psicóloga forense que se vê as voltas com um caso de assassinato misterioso no qual a única suspeita afirma que seu marido foi estrangulado na própria cama por um demônio do sono.

Eu achei que a história poderia ser interessante e, confesso que até fiquei com medo de não dormir a noite, já que eu tenho paralisia do sono e sou facilmente sugestionável. Porém o roteiro não entrega o que promete e acaba utilizando muitos 'jump scares' para assustar, esse recurso é tão utilizado que em dado momento o espectador já nem se assusta mais porque já está esperando por aquilo.
Outro ponto que também não me convenceu no filme foram as atuações, algumas …

SÉRIE| A maldição da residência Hill

Em outubro desse ano a Netflix estreou a primeira temporada da série de terror “A maldição da Residência Hill (The Haunting of Hill House)”, criada porMike Flanagane baseada no livro homônimo de Shirley Jackson (1959). A série conta a história da família Crane durante o período em moraram na mansão Hill e como os eventos que aconteceram na casa afetaram a família para sempre. Confesso que antes de assistir fiquei um pouco apreensiva, não porque tenho medo de filmes/ séries de terror (apesar de ser muito sugestionável), meu receio era a série ficar maçante com excessos de "jump scare", mas isso não aconteceu, os sustos são pontuais e a história fica muito mais focada no drama familiar.

Outro ponto a ser elogiado é a montagem dos episódios, os momentos em que passado e presente se intercalam foram construídos de maneira perfeita, sem ficar cansativo ou desgastante. É interessante reparar também que no inicio da série esses momentos eram avisados com legenda, mas depois foram fic…