Pular para o conteúdo principal

NETFLIX| Verdades reveladas em ‘Nada a esconder’



Praticamente todas as pessoas no mundo andam por aí com um smartphone. E, praticamente todas as pessoas do mundo guardam até mesmo seus segredos mais particulares nestes pequenos aparelhos. Mensagens, fotos, e-mails, contatos e todo conteúdo de cunho particular salvo em um Micro SD ou na nuvem. Este é exatamente o tema do francês, Le Jeu (2018).

Um grupo de amigos dos tempos de colégio se encontra para um jantar e decide fazer um jogo. Tudo o que for recebido no celular durante o jantar, seja: ligação, mensagem, e-mail ou notificações de redes sociais deverá ser revelado a todos os presentes na mesa, o resultado é claro é um show de revelações.

É fantástico como o filme te prende do início ao fim prendendo o público na curiosidade de saber quais segredos aquele grupo guarda e quais desdobramentos a revelação destes trará para a vida daquelas pessoas. Questões como adultério, relacionamento familiar, sexualidade, casamento, finanças são apenas algumas das situações que são expostas pelos personagens carismáticos e extremamente comuns que compõem a obra dirigida por Fred Cavayé.

Veja também:
Você está no controle em Bandersnatch?

A maldição da residência Hill

Vale a pena assistir ao filme "Mara"?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÉRIE| A maldição da residência Hill

Em outubro desse ano a Netflix estreou a primeira temporada da série de terror “A maldição da Residência Hill (The Haunting of Hill House)”, criada porMike Flanagane baseada no livro homônimo de Shirley Jackson (1959). A série conta a história da família Crane durante o período em moraram na mansão Hill e como os eventos que aconteceram na casa afetaram a família para sempre. Confesso que antes de assistir fiquei um pouco apreensiva, não porque tenho medo de filmes/ séries de terror (apesar de ser muito sugestionável), meu receio era a série ficar maçante com excessos de "jump scare", mas isso não aconteceu, os sustos são pontuais e a história fica muito mais focada no drama familiar.

Outro ponto a ser elogiado é a montagem dos episódios, os momentos em que passado e presente se intercalam foram construídos de maneira perfeita, sem ficar cansativo ou desgastante. É interessante reparar também que no inicio da série esses momentos eram avisados com legenda, mas depois foram fic…

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix

Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".
Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.


O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.
O …

CRÍTICA| O ‘Vidro’ estava mais ‘Fragmentado’ do que pensávamos

Vidro (2019) estreou em janeiro para fechar a trilogia iniciada por M. Knight Shyamalan em 2000 com ‘Corpo Fechado’. Conectando os dois primeiros capítulos e encerrando o arco dos super-heróis da vida real o filme que estreou com um elenco de peso (Samuel L. Jackson, Bruce Willis, James McAvoy e Sarah Paulson), foi apenas um filme pouco interessante com explicações jogadas e falta de vontade em aprofundar em uma história que já é, por natureza, extremamente profunda.




Para quem acompanhou os dois primeiros filmes e aguardava alguma inovação que se equiparasse aos planos “quadrinescos” de Corpo Fechado, onde o elenco era filmado através de janelas ou espelhos para criar a sensação de história em quadrinhos ou os diversos planos de câmera que expandem ainda mais as personalidades de Kevin (James McAvoy).
Dessa vez temos um pouco apenas de psicologia das cores para diferenciar os personagens, M. Knight Shyamalan, usou o Twiter para explicar a escolha da paleta de cores para cada personagem.…