Pular para o conteúdo principal

NETFLIX| Talvez VOCÊ não tenha entendido quem é Joe Goldberg




Você está solteiro(a), então conhece uma pessoa, ela parece ser tudo o que sempre sonhou. Curte as mesmas coisas que você, estimula você a seguir seus sonhos, parece te compreender. Não tem como isso dar errado, na verdade tem sim!

“Você” (2018) é umas das séries da Netflix que mais tem dado o que falar. Originalmente do canal Lifetime e inspirada no livro de Caroline Kepnes, “Você” amplia ao transformar em um thriller a realidade do relacionamento abusivo.
Joe Goldberg (Penn Badgley) é um atendente de livraria que conhece a aspirante a escritora Guinevere Beck (Elizabeth Lail), logo Joe se vê apaixonado pela moça, seria a história de amor perfeita caso Joe não fosse obcecado por Beck.


A trama narrada pela perspectiva de Joe mostra como funciona a mente de uma pessoa abusiva. De forma muito ampliada vemos Joe transformar a vida de Beck e eliminar pessoas que para ele são negativas ao amor de sua vida ou que podem atrapalhar o relacionamento. E o que isso tem a ver com a realidade? Tudo.

Todo relacionamento começa com mil e uma perspectivas para o futuro, dezenas de sonhos e planos giram em torno de se estar com a pessoa amada. Com o tempo as pessoas mostram muito mais do que a real personalidade, mostram seus medos, ciúmes e obsessões. O que pode tornar um simples namoro assustador.



Você já passou por isso? A pessoa parece ser a pessoa certa pra sua vida, mas de repente ela odeia e te afasta de amigos, te faz se afastar de hobbies e te deixa longe até mesmo de sua família. Essa pessoa não trancou ninguém em uma jaula, nem causou um choque anafilático no seu ex, mas já te fez um mal inimaginável.

“Você” está disponível na Netflix e já está renovada para a segunda temporada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÉRIE| A maldição da residência Hill

Em outubro desse ano a Netflix estreou a primeira temporada da série de terror “A maldição da Residência Hill (The Haunting of Hill House)”, criada porMike Flanagane baseada no livro homônimo de Shirley Jackson (1959). A série conta a história da família Crane durante o período em moraram na mansão Hill e como os eventos que aconteceram na casa afetaram a família para sempre. Confesso que antes de assistir fiquei um pouco apreensiva, não porque tenho medo de filmes/ séries de terror (apesar de ser muito sugestionável), meu receio era a série ficar maçante com excessos de "jump scare", mas isso não aconteceu, os sustos são pontuais e a história fica muito mais focada no drama familiar.

Outro ponto a ser elogiado é a montagem dos episódios, os momentos em que passado e presente se intercalam foram construídos de maneira perfeita, sem ficar cansativo ou desgastante. É interessante reparar também que no inicio da série esses momentos eram avisados com legenda, mas depois foram fic…

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix

Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".
Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.


O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.
O …

CRÍTICA| O ‘Vidro’ estava mais ‘Fragmentado’ do que pensávamos

Vidro (2019) estreou em janeiro para fechar a trilogia iniciada por M. Knight Shyamalan em 2000 com ‘Corpo Fechado’. Conectando os dois primeiros capítulos e encerrando o arco dos super-heróis da vida real o filme que estreou com um elenco de peso (Samuel L. Jackson, Bruce Willis, James McAvoy e Sarah Paulson), foi apenas um filme pouco interessante com explicações jogadas e falta de vontade em aprofundar em uma história que já é, por natureza, extremamente profunda.




Para quem acompanhou os dois primeiros filmes e aguardava alguma inovação que se equiparasse aos planos “quadrinescos” de Corpo Fechado, onde o elenco era filmado através de janelas ou espelhos para criar a sensação de história em quadrinhos ou os diversos planos de câmera que expandem ainda mais as personalidades de Kevin (James McAvoy).
Dessa vez temos um pouco apenas de psicologia das cores para diferenciar os personagens, M. Knight Shyamalan, usou o Twiter para explicar a escolha da paleta de cores para cada personagem.…