Pular para o conteúdo principal

OSCAR| Pantera Negra merece o mundo



Desde que saiu a lista de indicados ao Oscar desse ano eu vi muita gente questionando o fato de "Pantera Negra" estar concorrendo na categoria Melhor Filme, simplesmente pelo fato dele ser um filme de super-herói. Eu concordo que a Academia foi muito injusta quando esnobou "Batman: O cavaleiro das Trevas" e "Logan", que são dois ótimos exemplos de que dá pra fazer bons filmes populares, mas isso não deve nunca desmerecer o fato de que "Pantera Negra" merece estar aonde chegou.




Mais que um filme de super-herói "Pantera Negra" é um dos filmes com maior importância histórica entre os concorrentes do Oscar e a explicação é bem simples: ele teve um alcance muito maior do que filmes que também trazem  consigo a questão da representatividade como "Infiltrado na Klan" ou "Green Book". Foi muito importante ver adultos e crianças negras de todo o mundo podendo se enxergar nos personagens, se sentindo finalmente representados nesse universo tão popular e amplo que é o de filmes de super-heróis.





Michael B. Jordan como Killmonger e Chadwick Boseman como T'Challa no filme "Pantera Negra"/ Foto: Matt Kennedy - Marvel Studios
Na história T'Challa ( Chadwick Boseman) tem que lidar com os erros do passado de seu pai enquanto briga com seu primo Killmonger (Michael B. Jordan) pelo trono de Wakanda, os dois entendem que está na hora de Wakanda se abrir para o mundo, mas cada um tem uma visão de como isso deve ser feito. Aliás que vilão maravilhoso é o Killmonger, você consegue entender muito bem todas as motivações que ele tem para fazer o que está fazendo, é um personagem muito humano e fica muito longe da vilania caricata que a gente vê em muitos dos filmes do gênero.

 Foto: JEAN-BAPTISTE LACROIX / AFP
Ontem "Pantera Negra" levou pra casa um dos prêmios principais do SAG Awards, a premiação tende a ser um dos maiores termômetros para o Oscar. Acho difícil "Pantera Negra" repetir esse feito no dia 24 de fevereiro, mas se fizer, será uma grata surpresa ver este filme que vem fazendo história desde que foi lançado se consagrando ainda mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MARVEL| Avengers, Assemble!

[TEXTO COM SPOILER]


Sábado a noite eu fui assistir  Vingadores: Ultimato e, assim como todos os fãs que vem acompanhando a saga destes heróis nos últimos dez anos, eu estava muito ansiosa e com medo tanto me decepcionar, quanto de perder alguns dos meus personagens favoritos. Então já vou começar este texto dizendo que eu não me decepcionei, o filme é excelente e apesar de longo em nenhum momento ele fica arrastado ou cansativo.
Vou listar aqui alguns pontos do filme que me fizeram vibrar na cadeira do cinema:
OUTROS ÂNGULOS DA HISTÓRIA
Como muitas teorias já vinham falando em Vingadores:Ultimato os heróis voltam no tempo para consertar o estrago feito pelo estalar de dedos do vilão Thanos (Josh Brolin). A questão é que  eles não voltam para a batalha contra o vilão e sim para pegar de volta as Jóias do Infinito e assim poder trazer de volta as pessoas que tinham virado poeira. Porém o mais interessante disso é que eles voltam exatamente para momentos específicos de filmes anteriores e…

SÉRIES| Divulgado hoje o trailer de 'Pearson'

A USA Network lançou o primeiro trailer de 'Pearson', a série, que será um spin-of de Suits, estreia ainda este ano.
Na trama vamos acompanhar a trajetória da advogada Jessica Pearson (Gina Torres) enquanto ela tenta se adaptar ao mundo (e submundo) da política em Chicago. O projeto foi feito por Aaron Korsh e Daniel Arkin, que também são os responsáveis por Suits.
Veja o trailer abaixo:




NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança.
Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo.



Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteirizado pelo próprio Kheiron, Seme…