Pular para o conteúdo principal

LIVROS| Oito autoras incríveis que você deve ler


O universo dos livros é algo que me encanta desde criança, eu sempre fui uma leitora voraz mas, até pouco tempo atrás não tinha me dado conta de que muitas vezes eu não dava o devido valor a autoras mulheres. Pensar em autores homens é tão senso comum que meu companheiro só foi perceber que a Gillian Flyn era uma mulher e não um homem depois de ter lido dois livros dela. Então por isso nós do Marco do Percurso resolvemos fazer uma lista com dez autoras incríveis:


GILLIAN FLYNN

Foto:  Heidi Jo Brady
É uma autora norte-americana muito famosa pelos livros "Garota exemplar"(2012), "Objetos cortantes" (2006) e "Lugares escuros" (2009). Gosto dos livros dela porque retratam muito bem o universo feminino, suas personagens são cheias de camadas que muitas vezes podem surpreender o leitor. Aliás as hitórias dela são cheias de suspense e surpresa.

CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE

É uma escritora nigeriana que vem fazendo um trabalho excelente na popularização da literatura africana. Ela escreveu livros importantes como "Para educar criança feministas" (2017), "Americanah" (2013) e "Hibisco Roxo" (2003). Coloquei a Chimamanda nessa lista porque além dela ser incrível também acho interessante a gente valorizar autores que trazem realidades diferente da norte americana.

JOJO MOYES

Foto: Charlotte Murphy
Eu acho as hitórias da Jojo Moyes apaixonantes. Ela é muito famosa pelos livros da série "Como eu era antes de você", que chegou até a ganhar uma adaptação nos cinemas com Emilia Clarke (Game of Thrones) e Sam Claflin (Jogos Vorazes) nos papéis de protagonistas, porém meu livro favorito dela é Um mais um (2014), ele tem uma vibes muito parecida com "Pequena Miss Sunshine" que fez eu me apaixonar.

MARIA DUEÑAS


Foto: Ricardo Martin
É uma autora espanhola responsável pelo livro "O tempo entre costuras" (2009), um romance histórico que mistura ficção e realidade nos tempos da Guerra Civil Espanhola. Confesso que no começo a leitura não tinha me animado porque eu comecei a ler na expectativa de que fosse uma história parecida com as que o Carlo Ruiz Zafon escreve, porém quando eu mudei minhas expectativas o livro ficou maravilhoso e eu devorei ele rapidamente. Vale lembrar que "O tempo entre costuras" virou série e está disponível na Netflix.

SVETLANA ALEKSIÉVITCH

Foto: VEJA.com/Reuters/Reuters
O que mais me chamou atenção nessas autora foi o fato dela dar voz a histórias que antes ninguém se importou em contar. Se já é difícil a gente conhecer a versão da história da Segunda Guerra Mundial contada pelo lado russo, imagina então conhecer a história das mulheres russas que estavam no front? É isso que ela conta no livro "A guerra não tem rosto de mulher"(1985).

CAROLINA DE JESUS

 Foto: Editora Malê/Divulgação
É uma autora brasileira, negra, muito conhecida pelo seu livro "Quarto de despejo" (1960). O livro é baseado em suas memórias no período em que ela morou na favela do Canindé e trabalhava como catadora. Infelizmente ela é uma autora pouco reconhecida por nós brasileiros, eu mesma até pouco tempo atrás não tinha sequer ouvido falar dela, esse apagamento das nossas autoras durante todo ensino escolar é muito triste.

CAROLINA MUNHÓZ

Foto: Divulgação
Também é uma autora brasileira que tem suas obras focadas principalmente na literatura fantástica voltada ao público infanto-juvenil. Ela é escritora de livros como "A fada" (2009), "Fui uma boa menina" (2013) e o "Reino das vozes que não se calam" (2014)

MARGARET ATWOOD


Foto: Divulgação
Autora do livro que originou a famosa e premiada série "The handmaid's tale", Margaret Atwood é uma escritora canadense muito premiada e reconhecida por seus livros com realidades distópicas. Você pode não saber mas a série Alias Grace (Netflix) também é baseada em um de seus romances.

...

Meu objetivo com essas lista era tentar trazer autoras diversificadas em suas nacionalidades, vivências e gêneros literários. Espero que vocês gostem e não esqueçam de deixar suas indicações de autoras nos comentários, vamos fortalecer as mulheres escritoras!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÉRIE| A maldição da residência Hill

Em outubro desse ano a Netflix estreou a primeira temporada da série de terror “A maldição da Residência Hill (The Haunting of Hill House)”, criada porMike Flanagane baseada no livro homônimo de Shirley Jackson (1959). A série conta a história da família Crane durante o período em moraram na mansão Hill e como os eventos que aconteceram na casa afetaram a família para sempre. Confesso que antes de assistir fiquei um pouco apreensiva, não porque tenho medo de filmes/ séries de terror (apesar de ser muito sugestionável), meu receio era a série ficar maçante com excessos de "jump scare", mas isso não aconteceu, os sustos são pontuais e a história fica muito mais focada no drama familiar.

Outro ponto a ser elogiado é a montagem dos episódios, os momentos em que passado e presente se intercalam foram construídos de maneira perfeita, sem ficar cansativo ou desgastante. É interessante reparar também que no inicio da série esses momentos eram avisados com legenda, mas depois foram fic…

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix

Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".
Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.


O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.
O …

CRÍTICA| O ‘Vidro’ estava mais ‘Fragmentado’ do que pensávamos

Vidro (2019) estreou em janeiro para fechar a trilogia iniciada por M. Knight Shyamalan em 2000 com ‘Corpo Fechado’. Conectando os dois primeiros capítulos e encerrando o arco dos super-heróis da vida real o filme que estreou com um elenco de peso (Samuel L. Jackson, Bruce Willis, James McAvoy e Sarah Paulson), foi apenas um filme pouco interessante com explicações jogadas e falta de vontade em aprofundar em uma história que já é, por natureza, extremamente profunda.




Para quem acompanhou os dois primeiros filmes e aguardava alguma inovação que se equiparasse aos planos “quadrinescos” de Corpo Fechado, onde o elenco era filmado através de janelas ou espelhos para criar a sensação de história em quadrinhos ou os diversos planos de câmera que expandem ainda mais as personalidades de Kevin (James McAvoy).
Dessa vez temos um pouco apenas de psicologia das cores para diferenciar os personagens, M. Knight Shyamalan, usou o Twiter para explicar a escolha da paleta de cores para cada personagem.…