Pular para o conteúdo principal

DICAS| Dez filmes pra você se sentir bem (Parte 1)


As vezes tudo que a gente quer é chegar em casa, relaxar e ver um filme bem de boa pra desanuviar nossa mente e deixar a vida mais leve pro dia seguinte, em dias assim é praticamente impossível pensar em assistir um filme como Taxi Driver por exemplo. Então pra te fazer mais felizinho nos do Marco do Percurso deixamos aqui a primeira parte da lista com dez sugestões de excelentes ‘feelgood movies’:


A patricinha, o nerd, o atleta, o badboy e a esquisita, cinco adolescentes completamente diferentes ficam presos na detenção da escola e graças a isso vão descobrindo que possuem mais em comum do que pensam. O filme nos mostra que nem sempre tudo que parece realmente é, que é muito mais fácil julgar do que conhecer as pessoas. No decorrer da história vamos conhecendo e nos importando com os personagens que, por sua vez também estão passando por um processo de autoconhecimento. Vale muito a pena assistir essa comédia de John Hughes, a história é leve porém cheias de significados.



É um filme francês (franceses fazem bons feelgood movies) baseado em uma história de amizade real. Philippe (François Cluzet) é um homem tetraplégico que precisa contratar alguém para ser seu cuidador, depois de algumas tentativas frustradas ele acaba contratando Driss (Omar Sy), e apesar de todas as dificuldades a amizade entre os dois se fortalece, principalmente porque Driss não enxerga a deficiência de Philippe e sim a pessoa fantástica que ele é.





O jovem Tim Lake (Domhall Gleeson) descobre o poder de voltar no tempo concedido por gerações a todos os homens de sua família, ele se aproveita disso para conquistar o coração da jovem Mary (Rachel McAdams). A sinopse é bem simples e bem bobinha porém o filme é emocionante, principalmente na abordagem da relação de Tim com o seu pai.



Baseado no livro homônimo de David O. Russel, o filme conta a história de duas pessoas com transtornos psicológicos desenvolvidos após traumas relacionados aos seus antigos cônjuges. Aos poucos e com todas as peculiaridades um acaba fortalecendo o outro e se ajudando a passarem pelos momentos difíceis. O elenco conta com os maravilhosos Jennifer Lawrence e Bradley Cooper como os protagonistas.


Foto:Divulgação
Dois pacientes em estado terminal (Interpretados por Morgan Freeman e Jack Nicholson) se conhecem em quarto de hospital e decidem fazer uma lista com todas as coisas que desejam fazer antes de morrer. Os dois fogem do hospital e embarcam em uma jornada com o objetivo de zerar a lista. É uma história inspiradora, mais uma daquelas que te mantém acordada em um domingo de manhã.


Foto: Copyright StudioCanal
Já começo dizendo que esse filme tem o Mark Ruffalo, meu crush desde “De repente 30”. O filme conta a história de um produtor musical problemático que vê em uma cantora amadora a oportunidade de retomar sua carreira. O que eu gosto nesse filme é o fato dos dois personagens principais não se tornarem um casal, é legal ver eles construírem uma relação de amizade.


Foto: Pixar Animation Studios / Estúdios Disney (/)

Não posso perder aqui a oportunidade de falar de um filme da Pixar, a empresa que é mestre em fazer filmes pra crianças sorrirem e adultos chorarem. O filme é genial ao mostrar de um jeito muito gráfico o funcionamento das emoções humanas e como é importante a gente valorizar a tristeza para poder reconhecer as alegrias.


AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL (2012)


Mais uma história de adolescentes buscando a descoberta de si mesmo. Tanto o livro quanto o filme são apaixonantes….





O filme conta a jornada do jovem Adam (Joseph Gordom-Levitt) depois que ele recebe um diagnóstico de câncer. É interessante porque mostra como ele e como as pessoas que estavam ao redor dele lidaram com a situação.




Adaline é uma jovem moça que após sofrer um acidente de carro milagrosamente para de envelhecer. O filme é lindo, delicado e apaixonante…


Por enquanto é isso pessoal, espero que vocês se apaixonem por esses filmes tanto quanto eu! 

Deixa aqui nos comentários seus filmes favoritos pra gente fazer uma segunda parte!


Veja também:

Quatro podcasts divertidos pra ouvir enquanto lava a louça

Oito autoras incríveis que você deve ler

Quatro séries com mulheres maravilhosas que você não pode deixar de assistir

Seis filmes pra você choras até desidratar

Dez comédias românticas pra assistir hoje a noite






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÉRIE| A maldição da residência Hill

Em outubro desse ano a Netflix estreou a primeira temporada da série de terror “A maldição da Residência Hill (The Haunting of Hill House)”, criada porMike Flanagane baseada no livro homônimo de Shirley Jackson (1959). A série conta a história da família Crane durante o período em moraram na mansão Hill e como os eventos que aconteceram na casa afetaram a família para sempre. Confesso que antes de assistir fiquei um pouco apreensiva, não porque tenho medo de filmes/ séries de terror (apesar de ser muito sugestionável), meu receio era a série ficar maçante com excessos de "jump scare", mas isso não aconteceu, os sustos são pontuais e a história fica muito mais focada no drama familiar.

Outro ponto a ser elogiado é a montagem dos episódios, os momentos em que passado e presente se intercalam foram construídos de maneira perfeita, sem ficar cansativo ou desgastante. É interessante reparar também que no inicio da série esses momentos eram avisados com legenda, mas depois foram fic…

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix

Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".
Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.


O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.
O …

CRÍTICA| O ‘Vidro’ estava mais ‘Fragmentado’ do que pensávamos

Vidro (2019) estreou em janeiro para fechar a trilogia iniciada por M. Knight Shyamalan em 2000 com ‘Corpo Fechado’. Conectando os dois primeiros capítulos e encerrando o arco dos super-heróis da vida real o filme que estreou com um elenco de peso (Samuel L. Jackson, Bruce Willis, James McAvoy e Sarah Paulson), foi apenas um filme pouco interessante com explicações jogadas e falta de vontade em aprofundar em uma história que já é, por natureza, extremamente profunda.




Para quem acompanhou os dois primeiros filmes e aguardava alguma inovação que se equiparasse aos planos “quadrinescos” de Corpo Fechado, onde o elenco era filmado através de janelas ou espelhos para criar a sensação de história em quadrinhos ou os diversos planos de câmera que expandem ainda mais as personalidades de Kevin (James McAvoy).
Dessa vez temos um pouco apenas de psicologia das cores para diferenciar os personagens, M. Knight Shyamalan, usou o Twiter para explicar a escolha da paleta de cores para cada personagem.…