Pular para o conteúdo principal

GAMES| Cinco games pra quem não sabe jogar

Eu nem de longe sou a pessoa mais gamer que você vai conhecer, pelo contrário, eu sou uma 'noob' de marca maior. Mas mesmo assim existem alguns games que eu joguei até o fim (ou que eu ainda jogo às vezes)  e gostaria de indicar eles pra vocês.

São jogos fáceis (lembre-se que eu sou ruim jogando) então se você é um iniciante no mundo dos games pega essas dicas comigo e vamos ser 'noob's' juntos!

Esse jogo é ambientado durante a Segunda Guerra Mundial e conta as história de três personagens durante esse período conturbado da história. O jogo fala sobre amizade, sobre fazer a coisa certa independente de qualquer coisa e sobre o amor de uma família. O game é um vídeojogo de aventura de puzzle, desenvolvido e publicado pela Ubisoft e está disponível nas seguintes plataformas: PlayStation 4, Android, Xbox One, Nintendo Switch, iOS, PlayStation 3, Xbox 360, Microsoft Windows. Os gráficos são bem simples e por isso eu achei ele muito fácil de jogar, mas tem que ser explorador pra encontrar os detalhes e resolver os desafios. A história é emocionante e, não preciso dizer, mas terminei a história chorando.





Aqui a gente acompanha a história da Princesa Aurora e todos os desafios que ela precisa enfrentar para salvar o reino de Lemuria da Rainha Negra. O game é lindo, os diálogos são uma gracinha e eu amo o cenário! Child of Light é um RPG de plataforma, desenvolvido e publicado pela Ubisoft nas seguintes plataformas: PlayStation 4, Nintendo Switch, PlayStation 3, Xbox One, Xbox 360, Wii U, PlayStation Vita, Microsoft Windows




Uma das franquias de jogos mais famosas lançou uma versão em 2D das histórias dos Assassinos. São três jogos diferentes, Assassin's Creed India, Assassin's Creed China e Assassin's Creed Rússia, que se passam em períodos diferentes, com personagens diferentes, mas que devido a um artefato mágico tem suas vidas interligadas. O jogo foi produzido pela Clímax Studios e publicado pela Ubisoft.


Eu amo esse jogo simplesmente pelo fato que você pode jogar com vários heróis (ou vilões) dos filmes de ação da década de 80 e 90. A ideia é que esses heróis são mandados em missões ao redor do mundo para recuperar os territórios e salvar seus companheiros. O jogo tem um design bem simples, estilo os games antigos, acho até que é por isso que eu gosto tanto. Também é bem fácil de jogar, porque requer habilidades bem limitadas, eu particularmente gosto de jogar no modo "vamos quebrar tudo". É um game independente, desenvolvido pela Free Lives Games em 2013 e, está disponível nas plataformas  Nintendo Switch, PlayStation 4, Microsoft Windows, Linux, Mac OS Classic.

LIFE IS STRANGER




Talvez de todos os games que citei aqui esse seja o mais complexo de jogar, mas também não é difícil. O jogo é contado a partir da perspectiva da Max, uma adolescente que após voltar para  a cidade de Arcadia Bay, descobre que tem poderes para voltar no tempo. Porém como já dizia o tio Ben "Com grandes poderes vem grandes responsabilidades", então tudo que ela fizer pode alterar drasticamente o futuro das pessoas. Eu quase ia me esquecendo de mencionar, mas muitas das escolhas da Max é você quem faz. É um game pra se jogar com paciência, apreciando a história e a trilha sonora. Life is Stranger foi desenvolvido pelo estúdio francês Dontnod Entertainment e publicado nas plataformas LinuxMicrosoft WindowsOS XPlayStation 3PlayStation 4Xbox 360 e Xbox One pela Square Enix.

Essas foram as minhas dicas, espero que gostem e deixem nos comentários os jogos preferidos de vocês!

...

Veja também:





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança.
Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo.



Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteirizado pelo próprio Kheiron, Seme…

OSCAR| Saiba quem foram os dez últimos ganhadores na categoria Melhor Filme

Daqui a pouco mais de um mês acontece a 91ª edição do Oscar, o evento é conhecido por premiar os melhores filmes do ano anterior (nem sempre a justiça impera). Pensando nisso nós do Marco do Percurso separamos para vocês os últimos dez ganhadores na categoria Melhor Filme, a principal da premiação.

Então pega sua pipoca e seu controle e vem com a gente!

A FORMA DA ÁGUA (2018)



Dirigido por Guilhermo Del Toro "A forma da água" conta a história de Elisa (Sally Hawkins), uma zeladora muda que trabalha em um laboratório ultra secreto do governo dos Estados Unidos durante o período da Guerra Fria e, que acaba se apaixonando por uma criatura fantástica que era mantida em cativeiro pelo laboratório.

MOONLIGHT: SOB A LUZ DO LUAR (2017)



Dirigido por Barry Jenkins o filme conta toda a jornada de autoconhecimento de Black ( Trevante Rhodes, na fase adulta), um menino negro, gay e periférico de Miami. Destaque aqui para a atuação brilhante de Marhershala Ali, como o traficante Juan.

SPOTLI…

CRÍTICA| Polar não é o John Wick da Netflix

Assim que a Netflix começou a divulgar os trailers e imagens de Polar muita gente começou a comparar o personagem de Mads Mikkelsen como sendo o John Wick (Keanu Reeves) da Netflix, mas ontem depois de assistir ao filme eu posso afirmar pra vocês que Polar não chega nem perto do que foi "De volta ao jogo".
Baseado na graphic novel homônima publicada pela Dark Horse o filme acompanha a história do assassino de aluguel Duncan Vizla (Madds Mikkelsen) que, ao ser forçado a se aposentar, vira o alvo da firma em que trabalhou durante anos e, acaba se tornando a caça de um grupo de jovens assassinos psicopatas.


O filme exige uma suspensão de descrença muito grande quando coloca o grupo de assassinos agindo sempre juntos ao invés de se separarem para alcançar o objetivo mais rápido. Outra coisa que não entendi é fato deles terem um sniper que poderia matar qualquer um a distância, mas que só atira para imobilizar enquanto os outros fazem o trabalho, simplesmente não faz sentido.
O …