Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Bird Box não é um filme sobre monstros


Imagem do filme "Bird Box"
Bird Box (2018)  é o novo filme da Netflix. Ele é baseado no livro homônimo de Josh Malerman e está criando o maior burburinho nas redes sociais já que a maioria das pessoas ficaram extremamente dividas entre quem gostou muito do filme e quem odiou e achou uma completa perda de tempo.

Tom, Malorie e as crianças no filme "Bird Box"
Pra mim o grande erro das pessoas ao assistirem filmes com futuros pós apocalípticos é acreditar que a temática principal da história são as criaturas que assolam a humanidade e não as pessoas que estão lutando para sobreviver. Geralmente todo o contexto de apocalipse é utilizado apenas como metáfora para expor os problemas das relações humanas e como as pessoas costumam agir em situações extremas. Se você não assiste com essa perspectiva infelizmente tende a se decepcionar inclusive com filmes bons.


Bird Box conta a história de Malorie (Sandra Bullock) uma mulher grávida que se vê  presa em uma casa com várias pessoas estranhas após a humanidade ser atacada por alguma criatura que faz as pessoas se suicidarem. Aos poucos eles descobrem que para sobreviver precisam andar vendados e nunca olhar diretamente ou indiretamente para o lado de fora. Muita gente está comparando esse filme com Lugares Silenciosos (John Krasinski), apesar de ter certa similaridade eu acredito que comparar dois filmes com propostas diferentes seja um erro.

Sandra Bullock em "Bird Box"/ Emilly Blunt em "Lugares Silenciosos"

Em Lugares Silenciosos a história mostra a relação de uma família e as estratégias que eles desenvolveram para conseguir sobreviver a criaturas sensíveis ao som. Já em Bird Box o foco é a jornada da personagem principal na busca da aceitação dos filhos, uma vez que o começo da história deixa bem claro que ela está sendo vítima de uma maternidade compulsória, foca também na dificuldade que ela tem em criar laços verdadeiros com as pessoas.

Felix e Lucy ( Machine Gun Kelly e Rosa Salazar) no filme "Bird Box"
Infelizmente acho que o filme erra em alguns pontos, por exemplo, os personagens Lucy (Rosa Salazar) e Felix (Machine Gun Kelly) são extremamente desnecessários para a história e rendem cenas que poderiam ser facilmente cortadas.  Ao invés disso eles deveriam dar ao público mais cenas mostrando como os personagens sobreviveram ao longo dos cinco que separam o inicio e o fim da jornada.

Gostaria de destacar aqui as atuações maravilhosas da Sandra Bullock, Trevante Rhodes e John Malkovich, sem dúvida seus personagens são os meu favoritos. Bullock entrega uma Malorie extremamente forte e as vezes dura de mais, fazendo um contraponto perfeito com o Tom (Rhodes) que é o cara que ainda tem esperança e tenta passar isso às crianças. Malcovich interpreta o cara babaca do grupo, mas depois você acaba percebendo que as pessoas deveriam dar mais ouvidos a ele.

John Malkovich como Douglas no filme "Bird Box"

Infelizmente porém não acho que as atuações das crianças sejam tão boas e convincentes, apesar delas serem as coisinhas mais fofas do mundo (depois da afilhada do meu companheiro é claro). Acredito que o diretor deveria ter conseguido extrair mais delas, por exemplo,  a Menina (Vivien Lyra Blair) protagoniza algumas boas cenas porém acho que caso ela tivesse sido bem dirigida conseguiria entregar mais.

Antes de terminar gostaria de colocar aqui uma outra metáfora explorada pelo filme, que é o fato dos pássaros avisarem quando as criaturas estão chegando enquanto as pessoas são obrigadas a ficarem presas o tempo todo. Mesmo quando estão ao ar livre elas estão vendadas e não podem ver o mundo exterior, para ficar sem as vendas elas precisam estar lugares extremamente fechados.

Sandra Bullock como Malorie no filme "Bird Box"

Meu parecer final é que Bird Box é sim um bom filme, com alguns bons momentos e com uma história que me envolveu do começo ao fim. Não é o melhor filme da Netflix, tão pouco um divisor de águas, mas ao meu ver ele entrega o que promete, e é isso que importa. Me agrada também o fato de que nem tudo é explicado minuciosamente, é bom lembrar que a gente vê a história pela perspectiva dos personagens e eles também não sabem bem o que está acontecendo, só sabem que precisam sobreviver.

...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CRÍTICA| Operação Fronteira: um bom elenco para um roteiro mediano

Um dos lançamentos da Netflix em março deste ano foi o  longa de ação "Operação Fronteira". O filme estrelado por Ben Affleck, Charlie Hunnam, Garret Hedlund, Oscar Isaac e Pedro Pascal conta a história de cinco amigos e ex-combatentes do exército americano quando eles planejam assaltar a casa de um poderoso narco-traficante mexicano no meio da floresta Amazônica.
Pra ser sincera eu não achei o filme ruim, mas fiquei com a impressão de que faltava algo na história que prendesse mais a minha atenção. A sensação que o filme passa é sempre de que algo  muito ruim vai acontecer, ou de que o plano vai dar todo errado, e de certa forma é isso mesmo que acontece, mas acho que não exatamente do jeito que eu esperava. 
Outra coisa que me incomodou muito foi o fato de que a relação dos personagens não é bem contextualizada, ou seja, a gente não sabe como a relação deles começa, quais as dívidas que eles têm uns com os outros ou o porquê deles verem o personagem Tom Davis (Ben Affleck

CRÍTICA| Loja de Unicórnios e a singela mensagem de amadurecimento

Loja de Unicórnios entrou para o o catálogo da Netflix Brasil no ultimo dia 05 de abril. O longa foi o primeiro trabalho como diretora da atriz Brie Larson (Capitã Marvel, 2019), ela também estrela a produção. Loja de Unicórnios foi lançado em 2017 e é uma adaptação do roteiro escrito por Samantha McIntyre.
Kit (Larson)  é uma jovem que ao ser expulsa da faculdade de Artes começa a se sentir um perfeito fracasso. Sem saber muito o que fazer de sua vida, ela teve que voltar a morar na casa dos pais e começa a tentar se adequar em um perfil que simplesmente não cabe nela. Após encontrar um emprego temporário em um escritório de comunicação, Kit recebe um convite para ir até A Loja, lá ela conhece o Vendedor (Samuel L. Jackson) e ele lhe oferece a incrível oportunidade de comprar seu próprio Unicórnio, mas antes ela precisa preencher alguns requisitos.


Este foi um filme que conversou muito comigo, porque a personagem passa por todo um processo para enfim conseguir se reencontrar. Ao ser …

CRÍTICA| Durante a tormenta

Durante a tormenta é um filme de drama/suspense espanhol, o longa foi lançado em 2018 e chegou este mês na Netflix. Devido a uma falha  no espaço-tempo causada por uma tempestade a jovem Vera Roy ( Adriana Ugarte) salva a vida de um garoto que morreu atropelado em 1989, no entanto ao mudar o passado ela também altera o futuro e faz com que  sua mude vida completamente.
Há muito tempo o cinema traz histórias de viagem no tempo e, um ponto em comum que a gente aprendeu em várias delas é que não se pode alterar o passado sem que haja muitas consequências no futuro. Em 'Durante a tormenta', Vera (Ugarte), perdeu sua filha, seu marido e toda a vida que ela conseguia se lembrar, mas com a ajuda do Inspetor Leyra (Chino Darín) ela vai tentar recuperar o que deixou para trás. Porém o que Vera (Ugarte) não se deu conta é que  em sua busca para recuperar uma vida antiga ela acabou não se importando em como estaria sua vida atual nesta nova realidade. 


Eu gostei muito de como o filme tra…