Pular para o conteúdo principal

CRÍTICA| Bird Box não é um filme sobre monstros


Imagem do filme "Bird Box"
Bird Box (2018)  é o novo filme da Netflix. Ele é baseado no livro homônimo de Josh Malerman e está criando o maior burburinho nas redes sociais já que a maioria das pessoas ficaram extremamente dividas entre quem gostou muito do filme e quem odiou e achou uma completa perda de tempo.

Tom, Malorie e as crianças no filme "Bird Box"
Pra mim o grande erro das pessoas ao assistirem filmes com futuros pós apocalípticos é acreditar que a temática principal da história são as criaturas que assolam a humanidade e não as pessoas que estão lutando para sobreviver. Geralmente todo o contexto de apocalipse é utilizado apenas como metáfora para expor os problemas das relações humanas e como as pessoas costumam agir em situações extremas. Se você não assiste com essa perspectiva infelizmente tende a se decepcionar inclusive com filmes bons.


Bird Box conta a história de Malorie (Sandra Bullock) uma mulher grávida que se vê  presa em uma casa com várias pessoas estranhas após a humanidade ser atacada por alguma criatura que faz as pessoas se suicidarem. Aos poucos eles descobrem que para sobreviver precisam andar vendados e nunca olhar diretamente ou indiretamente para o lado de fora. Muita gente está comparando esse filme com Lugares Silenciosos (John Krasinski), apesar de ter certa similaridade eu acredito que comparar dois filmes com propostas diferentes seja um erro.

Sandra Bullock em "Bird Box"/ Emilly Blunt em "Lugares Silenciosos"

Em Lugares Silenciosos a história mostra a relação de uma família e as estratégias que eles desenvolveram para conseguir sobreviver a criaturas sensíveis ao som. Já em Bird Box o foco é a jornada da personagem principal na busca da aceitação dos filhos, uma vez que o começo da história deixa bem claro que ela está sendo vítima de uma maternidade compulsória, foca também na dificuldade que ela tem em criar laços verdadeiros com as pessoas.

Felix e Lucy ( Machine Gun Kelly e Rosa Salazar) no filme "Bird Box"
Infelizmente acho que o filme erra em alguns pontos, por exemplo, os personagens Lucy (Rosa Salazar) e Felix (Machine Gun Kelly) são extremamente desnecessários para a história e rendem cenas que poderiam ser facilmente cortadas.  Ao invés disso eles deveriam dar ao público mais cenas mostrando como os personagens sobreviveram ao longo dos cinco que separam o inicio e o fim da jornada.

Gostaria de destacar aqui as atuações maravilhosas da Sandra Bullock, Trevante Rhodes e John Malkovich, sem dúvida seus personagens são os meu favoritos. Bullock entrega uma Malorie extremamente forte e as vezes dura de mais, fazendo um contraponto perfeito com o Tom (Rhodes) que é o cara que ainda tem esperança e tenta passar isso às crianças. Malcovich interpreta o cara babaca do grupo, mas depois você acaba percebendo que as pessoas deveriam dar mais ouvidos a ele.

John Malkovich como Douglas no filme "Bird Box"

Infelizmente porém não acho que as atuações das crianças sejam tão boas e convincentes, apesar delas serem as coisinhas mais fofas do mundo (depois da afilhada do meu companheiro é claro). Acredito que o diretor deveria ter conseguido extrair mais delas, por exemplo,  a Menina (Vivien Lyra Blair) protagoniza algumas boas cenas porém acho que caso ela tivesse sido bem dirigida conseguiria entregar mais.

Antes de terminar gostaria de colocar aqui uma outra metáfora explorada pelo filme, que é o fato dos pássaros avisarem quando as criaturas estão chegando enquanto as pessoas são obrigadas a ficarem presas o tempo todo. Mesmo quando estão ao ar livre elas estão vendadas e não podem ver o mundo exterior, para ficar sem as vendas elas precisam estar lugares extremamente fechados.

Sandra Bullock como Malorie no filme "Bird Box"

Meu parecer final é que Bird Box é sim um bom filme, com alguns bons momentos e com uma história que me envolveu do começo ao fim. Não é o melhor filme da Netflix, tão pouco um divisor de águas, mas ao meu ver ele entrega o que promete, e é isso que importa. Me agrada também o fato de que nem tudo é explicado minuciosamente, é bom lembrar que a gente vê a história pela perspectiva dos personagens e eles também não sabem bem o que está acontecendo, só sabem que precisam sobreviver.

...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MARVEL| Avengers, Assemble!

[TEXTO COM SPOILER]


Sábado a noite eu fui assistir  Vingadores: Ultimato e, assim como todos os fãs que vem acompanhando a saga destes heróis nos últimos dez anos, eu estava muito ansiosa e com medo tanto me decepcionar, quanto de perder alguns dos meus personagens favoritos. Então já vou começar este texto dizendo que eu não me decepcionei, o filme é excelente e apesar de longo em nenhum momento ele fica arrastado ou cansativo.
Vou listar aqui alguns pontos do filme que me fizeram vibrar na cadeira do cinema:
OUTROS ÂNGULOS DA HISTÓRIA
Como muitas teorias já vinham falando em Vingadores:Ultimato os heróis voltam no tempo para consertar o estrago feito pelo estalar de dedos do vilão Thanos (Josh Brolin). A questão é que  eles não voltam para a batalha contra o vilão e sim para pegar de volta as Jóias do Infinito e assim poder trazer de volta as pessoas que tinham virado poeira. Porém o mais interessante disso é que eles voltam exatamente para momentos específicos de filmes anteriores e…

SÉRIES| Divulgado hoje o trailer de 'Pearson'

A USA Network lançou o primeiro trailer de 'Pearson', a série, que será um spin-of de Suits, estreia ainda este ano.
Na trama vamos acompanhar a trajetória da advogada Jessica Pearson (Gina Torres) enquanto ela tenta se adaptar ao mundo (e submundo) da política em Chicago. O projeto foi feito por Aaron Korsh e Daniel Arkin, que também são os responsáveis por Suits.
Veja o trailer abaixo:




NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança.
Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo.



Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteirizado pelo próprio Kheiron, Seme…