Pular para o conteúdo principal

SÉRIE| A maldição da residência Hill

Foto: Copyright Steve Dietl/Netflix

Em outubro desse ano a Netflix estreou a primeira temporada da série de terror “A maldição da Residência Hill (The Haunting of Hill House)”, criada por Mike Flanagan e baseada no livro homônimo de Shirley Jackson (1959). A série conta a história da família Crane durante o período em moraram na mansão Hill e como os eventos que aconteceram na casa afetaram a família para sempre.
Confesso que antes de assistir fiquei um pouco apreensiva, não porque tenho medo de filmes/ séries de terror (apesar de ser muito sugestionável), meu receio era a série ficar maçante com excessos de "jump scare", mas isso não aconteceu, os sustos são pontuais e a história fica muito mais focada no drama familiar.

Outro ponto a ser elogiado é a montagem dos episódios, os momentos em que passado e presente se intercalam foram construídos de maneira perfeita, sem ficar cansativo ou desgastante. É interessante reparar também que no inicio da série esses momentos eram avisados com legenda, mas depois foram ficando tão naturais e bem feitos que quem estava assistindo não precisava mais desse aviso.

Não gosto muito de fazer comparações entre obras, mas se tivesse que comparar "A maldição da Residência Hill" com outras obras recentes certamente seria com Hereditário (2018) ou A Bruxa (2015), vou explicar por que, o que te prende na história não são os sustos, nem os fantasmas, o que prende o espectador é o drama da família, como ela vai se desgastando ao longo dos episódios e como em alguns momentos você duvida da sanidade deles. A tensão existe, mas você não precisa pular de susto pra perceber que há algo de errado acontecendo.



O episódio final da série não deixa um gancho para uma possível segunda temporada, a história dos Crane foi fechada e o melhor seria deixar essa pobre família em paz, então pra série continuar outras pessoas terão que sofrer...  afinal os Crane não foram os únicos amaldiçoados pela residência Hill.

Conta pra gente nos comentários o que você achou dessa série e se você acha que ela deve continuar ou não?


Veja também:

Vale a pena assistir ao filme "Mara"?


Comentários

  1. Li que havia uma intenção de fazer um final diferente. Achei que não tinha necessidade, do jeito que acabou ficou muito bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho tbm que ficou muito bom o jeito que terminou. Gosto da ideia de outras ideias serem exploradas.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MARVEL| Avengers, Assemble!

[TEXTO COM SPOILER]


Sábado a noite eu fui assistir  Vingadores: Ultimato e, assim como todos os fãs que vem acompanhando a saga destes heróis nos últimos dez anos, eu estava muito ansiosa e com medo tanto me decepcionar, quanto de perder alguns dos meus personagens favoritos. Então já vou começar este texto dizendo que eu não me decepcionei, o filme é excelente e apesar de longo em nenhum momento ele fica arrastado ou cansativo.
Vou listar aqui alguns pontos do filme que me fizeram vibrar na cadeira do cinema:
OUTROS ÂNGULOS DA HISTÓRIA
Como muitas teorias já vinham falando em Vingadores:Ultimato os heróis voltam no tempo para consertar o estrago feito pelo estalar de dedos do vilão Thanos (Josh Brolin). A questão é que  eles não voltam para a batalha contra o vilão e sim para pegar de volta as Jóias do Infinito e assim poder trazer de volta as pessoas que tinham virado poeira. Porém o mais interessante disso é que eles voltam exatamente para momentos específicos de filmes anteriores e…

SÉRIES| Divulgado hoje o trailer de 'Pearson'

A USA Network lançou o primeiro trailer de 'Pearson', a série, que será um spin-of de Suits, estreia ainda este ano.
Na trama vamos acompanhar a trajetória da advogada Jessica Pearson (Gina Torres) enquanto ela tenta se adaptar ao mundo (e submundo) da política em Chicago. O projeto foi feito por Aaron Korsh e Daniel Arkin, que também são os responsáveis por Suits.
Veja o trailer abaixo:




NETFLIX| É isso que dá ajudar Sementes Podres, babaca

O que um refugiado árabe que aplica pequenos golpes pode ensinar a um grupo de crianças marginalizadas? Essa pergunta é perfeitamente respondida em Sementes Podres (2018), que enche até o mais vazio dos corações de esperança.
Wael (Kheiron) um rapaz que cresceu vendo os horrores da vida, desde que perdeu os pais muito cedo, tenta se redimir ajudando um grupo de crianças que precisam cumprir detenção após a escola. Com o decorrer da história vamos conhecendo um pouco da intimidade das crianças, além de conhecermos a infância de Wael através de flashbacks. O ritmo do filme que lembra muito obras como “Mudança de Hábito” (1992) e “Ao mestre com carinho” (1967) é uma injeção de esperança em uma época que precisa acreditar que pessoas melhoram e podem dar certo.



Cheio de momentos marcantes, um pequeno diálogo chama a atenção quando o pequeno Wael (Aymen Wardane) fala para Monique (Ingrid Donnadieu) que Deus gosta de fazê-lo perder pessoas. Dirigido e roteirizado pelo próprio Kheiron, Seme…